DIA 3 – SALAR DE UYUNI – O INFINITO BRANCO (BOLÍVIA)

 

É verdade, está a acabar, chegamos ao terceiro e último dia do nosso tour. Se ainda não leram, ou quiserem rever, podem encontrar o primeiro dia descrito ao pormenor aqui, o segundo dia aqui, e o resumo geral, com as nossas recomendações e o que deverão levar convosco, aqui.

Nesta altura já sentíamos a nostalgia misturada com o prazer de ver mais uma coisa nova.

Dia 3 – O Infinito Branco

Este dia começa de madrugada. Custou muito sair da cama antes das 5 da manhã, mas apesar de estarmos às portas do salar, o percurso até à ilha é longo, e queremos estar lá em cima para ver o nascer do sol do melhor “spot”. A entrada na ilha Incahuasi custa 30 BOB (3,8€) e inclui quarto de banho com papel, água e desinfetante.

DSC_7635

Um dos efeitos da altitude é o cansaço extremo, mas só nesse dia é que o nosso corpo nos mostrou como ficava cansado a subir até ao ponto mais alto da ilha. Os degraus pareciam intermináveis, os rapazes subiram mais rápido, mas as raparigas ficaram a arfar nas pequenas paragens que foram fazendo. Chegando lá acima, percebemos que a ilha não é muito grande, está repleta de catos gigantes e permite uma visão 360⁰ inesquecível do salar. Em qualquer direção, tudo o que se vê é sal, quase como se fosse neve. Ficamos ali, a invejar os que trouxeram mantas e a eleger aquele que achámos ser o melhor ponto para ver o “rei” sol chegar. E ele chega, vermelho, e vai subindo para o seu trono, lentamente, de forma consistente, mostrando que o nosso dia no salar, e o espetáculo, está apenas a começar.

DSC_7655DSC_7743

DSC_7773

Em toda a ilha há gente, a mesma gente que vimos nas paragens durante os últimos dois dias, quase sentimos que conhecemos as pessoas e já se trocam “hello´s”. Após o amanhecer, ainda se fica ali a explorar a ilha e dá tempo para testar as primeiras fotografias no salar. Entretanto, surge o pequeno-almoço, e dá vontade de encher o Eme de abraços por esta maravilha. Há bolo fresquinho, café, chocolate-quente, iogurte, cereais, doces. E começamos a pensar que não há nada de que nos possamos queixar neste tour, que foi dinheiro muito bem gasto.

DSC_7868

Seguimos caminho, já totalmente de dia, para admirar a navegação por este mar de branco, com o nosso jipe a percorrer uma estrada infinita, até nos determos em nenhures para as famosas fotografias com o efeito de não profundidade. Voltamos a ser crianças, deitamos-nos no sal, ficamos com cristais agarrados ao corpo, fazemos mil e uma posições, até à exaustão. Depois, o Eme assume as rédeas de quem faz isto todos os dias e tira as melhores fotos de grupo, aquelas que iremos procurar quando nos quisermos recordar destes três dias maravilhosos.

Voltamos a entrar no jipe para percorrer os últimos quilómetros até ao antigo hotel de sal, às portas do salar, hoje museu, o monumento das bandeiras e o recente monumento ao Dakar. No monumento das bandeiras é ritual procurar a do seu país. Havia uma de Portugal e nenhuma de Angola (a Raquel devia ter levado uma). Aqui temos de deixar um reparo. A nossa bandeira está vandalizada, uns franceses não conseguiram lidar bem com a derrota no Euro 2016 e vingaram-se na bandeira portuguesa. Se alguém passar por lá, levem uma nova para substituir. O monumento do Dakar está feito em sal, um bocadinho danificado pela natureza, mas mesmo assim impressionante.

DSC_8018DSC_7995

Quase toda a gente vem ao salar à espera de encontrar água para tirar fotografias com o efeito de espelho. No entender do Eme viemos numa boa altura, porque agora não há água e consegue-se atravessar todo o salar. Se não há água, não há efeito de espelho. Por um lado, ficamos felizes por conseguir atravessar o salar, por outro ficamos desiludidos por não ter este efeito espetacular, que poderão encontrar de janeiro a março. Soubemos há poucos dias pelo Scott, que conhecemos no Atacama e reencontrámos na fronteira do Equador com a Colômbia, que há quem tenha ido na mesma altura que nós e tenha fotos com água. Pelos vistos há uma zona do salar que está sempre com água, mas só alguns tours vão até lá.

A nossa ultima paragem é em Colchani, uma vila onde vamos almoçar e comprar artesanato. A rua principal onde circulamos é nitidamente para turistas, onde se vendem ponchos, xailes, gorros, cachecóis, canetas, porta chaves, etc., encontram-se aqui todo o tipo de souvenires. O almoço foi frango com massa e laranjas, a última refeição preparada pelo nosso guia.

GOPR7466

Há uma paragem extra que por indicação do grupo não se faz, o cemitério dos comboios. O Eme explica que são comboios antigos deixados abandonados, cheios de ferrugem, e que é uma zona cheia de mosquitos.
Somos deixados em Uyuni, uma cidade pequena, onde apanhamos o autocarro para Potosí e depois para Sucre. E acabou, despedimos-nos uns dos outros, trocámos contatos e desejámos boa sorte aos planos que cada um de nós tem para os próximos meses.

365 dias no mundo estiveram 3 dias em tour no Salar de Uyuni, de 22 a 24 de Abril de 2017
Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
Preços: económico
Categorias: maravilha do mundo, paisagem, natureza, aventura, deserto, montanha, vida selvagem, salar

 

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: