OS TRÊS C’S: CACAU, CAFÉ E CALOR (SÃO TOMÉ E PRINCIPE)

O nosso conhecimento de África é limitado. O país que melhor conhecemos é Angola, onde vivemos quase 5 anos e conhecemos diversas províncias: Luanda, Lubango, Benguela, Kwanza Norte e Sul, Huambo, Namibe, um de nós conheceu o Zaire e o outro a Lunda Sul e Moxico. Além disso, o Tiago já passou por Marrocos e a Raquel foi à Tunísia. Juntos, fomos à África do Sul e a São Tomé e Príncipe, o destino do nosso relato de viagem, por onde passámos no final de 2016.

DSC_0523

São Tomé era um destino que tínhamos na nossa lista mental, mas foi sendo adiado. De cada vez que alguém voltava de férias ouvíamos como era fantástico: o clima, a paisagem, a comida e, principalmente, as pessoas. Um dia falaremos disto, mas somos fãs de programas de milhas (mais a Raquel). Quando decidimos que o nosso objetivo de vida quando saíssemos de Angola era viajar a longo prazo, mudámos de estilo de vida,  reduzimos os gastos, mas continuámos a querer aproveitar para viajar, principalmente para destinos mais próximos de Angola. Então, a Raquel foi à TAAG Linhas Aéreas de Angola, e descobriu que tínhamos milhas suficientes para ir até São Tomé.

Com a premissa de não tentar gastar euros que eram essenciais para os planos a longo prazo, acabámos por ter de deixar a ilha do Príncipe fora dos planos. Mas sabemos que um dia vamos voltar por aquilo que não conseguimos visitar nesta viagem e rever aquilo que adorámos. Na ilha de São Tomé, tentámos conhecer o máximo possível e fizemos as três rotas (Norte, Centro e Sul) em jipe alugado, com um guia e motorista local (o Arcelino). Há tanto para contar e relembrar que sabemos que vamos falar da ilha durante alguns posts, mas neste queremos apenas realçar aquilo que é realmente especial ali, aquilo que distingue este país. E aguçar o vosso apetite para não perderem o resto.

DSC_0229

Em São Tomé, a língua portuguesa é falada de uma forma mais semelhante com a portuguesa do que em Angola. Aliás, sente-se a amizade e colaboração entre Portugal e STP. Sente-se África, é húmido, cheira a floresta e a fruta, a canela e baunilha. São Tomé é rosália e santola. É mar e mato, é café e cacau. São roças abandonadas e roças recuperadas. Crianças que vão a pé para a escola, que pedem doces e cadernos. É catanas e remos, memórias e histórias. É mercado e vendedores de rua.

DSC_0001

Pode ser um choque para quem apenas conhece a Europa. Aquilo que muitos chamam de pouco, de pobreza, para quem conhece África, não se esquece a felicidade, a música. Aqui, partilha-se a necessidade e ambição de uma vida melhor, mas não há fome. A fruta e o peixe abundam. Os cocos são de todos e a matabala não falta à mesa. Vêem-se as marcas daquilo que já foi, das grandes roças, dos fornos, dos carris que transportavam as sementes numa era que não voltou, mas não há ressentimento.

DSC_1076

Há gente famosa, como o artista e escritor Almada Negreiros, em Trindade, e o chef João Carlos Silva, em São João de Angolares. Se um está morto, o outro vive e dá vida à culinária nacional. O conhecimento da medicina tradicional existe, não é vendido como banha da cobra, ou feitiçaria, é comprovado e faz sentido. As pessoas conhecem o que as rodeia. As que se lembram, contam como era no tempo em que o senhor da roça lá estava. Mostram onde era a casa dos senhores, onde morava o capataz, onde dormiam os funcionários (que começaram por ser escravos), a escola e o hospital. Dizem como chegava o cacau ou o café até aos depósitos. Falam no Claudio Corallo, o italiano que tem uma fábrica de chocolate em São Tomé e distribuidores da sua marca em todo o mundo. Levam-nos às enormes santolas, lá mesmo no meio do bairro, onde nos contam que muitos desistem da iguaria ao perceber o enquadramento do restaurante. Falam com orgulho do Ilhéu das Rolas e do marco do Equador.

Há tartarugas, baleias e golfinhos. Têm associações e fundações que educam e protegem estes animais, para que não sejam caçados. E há um clima especial: húmido, quente, tanto está sol como chove torrencialmente, três ou quatro vezes no mesmo dia. A pele fica pegajosa, os mosquitos devoram-nos, e parece não haver repelente que os afugente.

DSC_0692

Mas nada disto interessa sem as pessoas, que dançam junto à praia na cidade, que caminham para o trabalho, que, com a catana, tanto abrem o cacau para experimentarmos a polpa, como o mato que esconde o caminho até à cascata. Que nos contam os seus sonhos, que nos pedem material escolar, que aceitam trocas, o seu artesanato pelos nossos produtos europeus. Juntam-nos a outros visitantes e fazem-nos meter conversa com estranhos, enquanto os guias põem a sua conversa em dia. Explicam, por experiência, de onde se tiram as melhores fotografias. As crianças acenam adeus enquanto seguem para a escola, tentam receber mais canetas escondendo a que já têm na mão, não por maldade, mas por necessidade. Encontramos os que chegaram e não mais se foram. Que explicam porque se renderam, como um dia sentiram que era ali que podiam ser felizes. E sentimos o bichinho crescer em nós. Sentimos que também nós podemos ser felizes ali, olhamos em volta e visualizamos o que poderia ser, sonhamos, antecipamos um futuro em São Tomé. Mais tarde, acabamos por saber que a loucura não é só nossa. Que outros, ao nosso desejo de comprar uma roça, nos respondem, “já o fiz”.

DSC_0676
Este post pode conter links afiliados

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: