ARTE URBANA EM STOP & GO – PORTO (PORTUGAL)

A arte urbana começou por ser considerada vandalismo, proibida, feita às escondidas, com as autoridades a apagarem ou pintarem por cima, mas a mensagem e a crescente qualidade das obras começou a chamar atenção. Hoje em dia, já é utilizada como um pólo de atração e conversão das cidades. O reconhecimento das obras como arte foi tal que passou a ser chamada em bom português como arte urbana, como tradução do inglês street art. Em Portugal, artistas como Vhils ou Bordalo II têm a sua obra exposta em murais gigantes, constantemente fotografados. Lisboa é já um destino reconhecido na Europa. A cidade invicta procura o mesmo reconhecimento, ser conhecida também pela arte urbana.

No ano passado (2017), descobrimos que a Câmara do Porto divulgava passeios-oficina, guiados por alunos da Escola Superior de Educação (curso Artes Visuais e Tecnologias Artísticas), durante os meses de julho e agosto. Como estávamos na cidade, aproveitámos e marcámos.

O UPSTREET STOP&GO funcionou tanto no modelo pedonal como de tuk-tuk, mas estes últimos esgotavam mais rapidamente, e incluíam a presença de um artista. O tour era grátis, a inscrição feita por e-mail, e tinha a duração de uma hora. A inscrição era feita com nome, número de telemóvel e data pretendida, a enviar para o e-mail da Porto Lazer. Este ano não percebemos se aconteceu outra vez.

Encontrámo-nos em frente ao Teatro Carlos Alberto, na Rua das Oliveiras, para reunir o grupo das 25 pessoas. Levámos o nosso cachorro, por ser uma caminhada ao ar livre, e ele adorou. Íamos com duas guias que transportavam uma placa identificativa e deram-nos um caderno e um marcador. As guias contavam a história de cada obra, falavam sobre o autor e pediam a cada interveniente para desenhar algo no caderno que gostasse de ver na parede ou sentisse que poderia completar a obra.

DSC_4433
DSC_4420
DSC_4447

Paragens:

  • Rua das Oliveiras (fachada do Teatro Carlos Alberto): obra Landscape de Martinha Maia.
  • Rua de Cedofeita: obra Holon de Hazul.
  • Rua de Diogo Brandão (esquina com a Rua de Miguel Bombarda): obra de Mots, Mesk e Fedor.
  • Rua de Miguel Bombarda: obra de Pedro Cabrita Reis.
  • Rua da Restauração: obra Mural Colectivo da Restauração, 4ª fase de Contra, Flix, Vírus, Heitor Corrêa, Bella Phame, My name is not SEM e Sabrina Lima.
DSC_4439

O tour de tuk-tuk (em parceria com a Tuk Tour Porto), tem outras paragens:

  • Rua Fernandes Tomás e Rua de Alexandre Braga: caixas de eletricidade de vários artistas.
  • Rua de Alferes Malheiro: obra Mural da Trindade de Hazul e Mr. Deo.
  • Avenida de Vimara Peres: obra AN.FI.TRI.ÃO de Frederico Draw.
  • Rua Nova de Alfândega: obra Mira de Daniel Eime.
  •  Rua da Atafona: obra de Vhils.
  • e termina também na obra da Restauração.

Mesmo que este tour já não exista, têm a possibilidade de fazer o percurso por vossa conta ou utilizar um dos tours pagos. As obras continuam expostas e há muitas outras novas, como o mural de azulejos de Joana Vasconcelos no edifício da Steak n Shake. Aproveitem a visita à cidade e descubram a arte urbana do Porto.

Esta não foi a nossa primeira experiência neste tipo de tours. Já tínhamos feito meio tour em Bogotá.

DSC_4437

Este artigo pode conter links afiliados

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: