A MINI ISLÂNDIA NA PENÍNSULA REYKJANES

A nossa viagem pela Islândia começou e terminou em Reykjanes. Esta é uma península reconhecida pela UNESCO que serve de porta entrada para quase todos os visitantes do país. É a única região do mundo onde a fenda entre as placas tectónicas se encontra acima do nível do mar. Apesar disso, é também uma região desprezada pela maioria dos turistas. Também não a conhecemos a fundo, mas aqui encontram muito da Islândia resumida num só local.

O aeroporto principal fica aqui, Keflavík (KEF), assim como a ponte sobre as duas placas, a lagoa azul e a cidade do bacalhau, mas há mais atrações. Tudo fica praticamente junto à estrada costeira 425.

Stekkjarkot: perto do aeroporto encontram algumas casas com o telhado de turfa. São 40 minutos de passeios pela aldeia, mas, se passarem noutras zonas do país, podem dispensar.

Museu do Mundo Viking: não passámos por aqui, mas arquitetonicamente destaca-se. Inclui uma réplica de um barco Viking (o Islandês). O bilhete custa 1.500ISK, mas, por 2.500ISK também podem tomar o pequeno-almoço com produtos islandeses. Está aberto das 10h às 16h.

Museu do Rock & Roll: pelo que lemos, podem aprender mais sobre a história de bandas e artistas islandeses que conseguiram fama mundial, como The Sugarcubes, Björk, Sigur Rós e Of Monsters and Men. O bilhete custa 1.500ISK e está aberto das 11h às 18h.

Museu Duus: é o centro de arte e cultura da cidade. Podem assistir a concertos, aprender mais sobre o geo-parque da península, e conhecer artistas locais. Perto da marina é possível ver as baleias.

Farol Garður: o farol velho da península.

Stafnesviti: outro farol da região. Nesta zona ficaram alojados os pescadores dos barcos reais, obrigados a trabalhar por um salário baixo. Em 1928 naufragou aqui um barco e apenas 10 tripulantes foram resgatados. Existe um memorial sobre essa tragédia, semelhante a outros que encontrámos nas zonas costeiras do país,.

Ponte entre continentes (Leif the Lucky’s Bridge): foi onde começámos a conhecer a Islândia, logo no dia de chegada. Há um desafio, tirar uma fotografia a segurar a ponte. Nós não somos muito destas fotografias da moda, mas se forem ao Museu DUUS podem receber um certificado oferecido no Centro de Visitantes com a proeza de terem atravessado a ponte.

Gunnuhver: é um campo geotermal em Reykjanes. Tem uma zona de estacionamento e alguns passadiços. Daqui é possível ver de perto um Projecto de Perfuração, uma espécie de fábrica. Conseguem ver também uma mini lagoa azul celeste, tipo lagoa azul.

Farol de Reykjanes: seguindo pela estrada de Gunnuhver encontram o farol. Foi construído um em Valahnúkur em 1878, mas, em 1905, foi danificado por um terramoto. Construíu-se um novo entre 1907 e 1908 na colina de Bæjarfell e demoliu-se o antigo que estava danificado. No fim da estrada fica Valahnúkamöl e os campos de lava Háleyjarbunga.

Brimketill: é uma piscina de lava em rocha. É preciso descer uns degraus, mas tem uma plataforma. Se o mar estiver bravo, as ondas podem chegar ao parque de estacionamentos e à plataforma.

Grindavík: a cidade da pesca do bacalhau. Fica perto da piscina de lava e da lagoa azul. A cidade é um bom ponto para dormirem se quiserem ficar em Reykjanes. Há passeios para ver baleias, passeios a cavalo, piscinas municipais, restaurantes e muitos alojamentos. Nós descobrimos uma reportagem do público e fomos lendo sobre a ligação de Grindavík a Portugal (por exemplo, Ílhavo, perto dos pais da Raquel). Decidimos que tínhamos que ir a esta cidade ver a exposição no Museu do Peixe Salgado. A exposição conta muito da história da cidade e de como a Islândia se afirmou no mercado do bacalhau, conquistando quota à Noruega. Dentro do centro turístico da cidade, onde está o museu, encontram também informações sobre a formação da ilha, as placas tectónicas e os terramotos. Chegámos quase à hora do fecho, custa 1.200ISK.

Lagoa azul: das atrações pagas, esta é a mais famosa, mas ainda temos dúvidas sobre se vale o preço. As piscinas são grandes, as condições do espaço bastante boas, mas… é tão caro e está tão lotado nos vestiários que se torna uma confusão. Os preços começam nos 56€ se comprados com MUITA antecedência. Se decidirem não ir, passem pelo menos pelo exterior. As lagoas ficam no meio de um campo de lava e fora do espaço das piscinas há muito que ver. Se decidirem ir, comprem com antecedência. As nossas fotos não são boas porque a GOPRO avariou e tivemos medo de molhar o telemóvel. Podem ler a nossa opinião aqui.

Não se esqueçam de fazer seguro de viagem, nós fazemos com a IATI Seguros. Com o nosso link da IATI Seguros têm 5% de desconto.

365 dias no mundo estiveram na Islândia de 23 de outubro a 7 de novembro de 2019

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: