PONTES SOBRE A RIA DE BILBAU (ESPANHA)

Bilbau galgou as margens da ria del Nérvion e cresceu na outra margem. Ao Casco Viejo acrescentou Bilbao La Vieja e as pontes uniram os dois lados. São várias e de vários tipos, algumas serviram de homenagem a personalidades, outras foram batizadas com o nome dos seus arredores, mas todas são necessárias para unir a cidade. As pontes de Bilbau são pedonais, de circulação rodoviária e até mesmo rolantes!

São treze as pontes sobre a ria del Nervión. Existe uma 14ª, mas não é relevante para a cidade, então optámos por não a referir.

Pontes de Bilbau:

Puente de Miraflores: a maior ponte de Bilbau, a segunda se consideramos Bizkaia. É um dos acessos mais requisitados para entrar na cidade.

Puente San Antón: fica junto à igreja e ao antigo Ayuntamiento. É do século IV e foi durante muitos anos a única forma de cruzar o rio a pé.

Puente de La Ribera: logo a seguir ao Mercado de La Ribera encontram a ponte com o mesmo nome. Começou por ser uma ponte rolante que, entretanto, desapareceu em 1874. Muitos pensam que a frase em baixo se dedica à Ponte Bizkaia, também rolante, mas não, é mais antiga do que essa. Esta une o Casco Viejo ao bairro de San Francisco.

“ No hay en el mundo leré, puente colgante leré, más elegante leré, que el de Bilbao”

Puente de la Merced: ponte que permite atravessar para uma antiga igreja transformada num centro de comunitário (BilboRock). Tem esculturas nos pilares, um par em cada, uma espécie de felino com asas. O autor manteve-se fiel à lenda que conta que seres alados rodopiavam em volta de pessoas tristes, deixando-as alegres. Estes seres viviam no bairro San Francisco, mas, de vez em quando, voavam até outras zonas da cidade.

Puente Arenal: une a estação (Abando) e o teatro (Casco Viejo). Foi a ponte que usámos para chegar da Plaza Moyua ao Hostel. Surge da necessidade em acompanhar o crescimento da cidade para fora das sete ruas. Foi das pontes de Bilbau que mais utilizámos.

Puente del Ayuntaminento: daqui vê-se a escultura Variante Ovoide, o Centro Cultural Moyus e o novo edifício da câmara. Foi a primeira ponte elevadiça da cidade, permitindo que os cargueiros entrassem e descarregassem as mercadorias.

Puente Zubizuri: a ponte pedonal mais famosa da cidade, obra de Santiago Calatrava (1997). É em vidro e torna-se muito escorregadia, então, para evitar acidentes, tem uma espécie de tapete. Daqui vê-se um ginásio que fica dentro de um edifício com fachada antiga, o Club Metropolitan, e também o Hotel Hesperia, um dos mais coloridos da cidade. É a ponte mais próxima para o funicular até ao monte Artxanda. Também lemos que é o sítio ideal para ver os fogos de artifício da cidade.

Puente de La Salve: o autocarro de/para o aeroporto passa por aqui e é a ponte mais próxima do Museu Guggenheim. Tem um arco vermelho que se vê do Monte Artxanda, uma obra do artista francês Daniel Buren, feita em 2006 para o museu. O seu nome vem dos marinheiros cantarem La Salve quando aqui chegavam, porque era o primeiro sítio de onde se via a Virgem Begoña. Foi inaugurada em 1972 e tem ascensores na margem direita. Aconselhamos que subam e atravessem a ponte, pelo menos até meio, para terem uma vista fenomenal do museu. Os saltos da Red Bull aconteceram aqui.

Puente Pedro Arrupe: fica a seguir ao Museu Guggenheim e é pedonal. Fica perto do passeio da memória, unindo os dois lados da faculdade Deusto. É de 2003, obra de José Antonio Fernández Ordóñez. É uma ponte com seis entradas, algo de que gostámos particularmente.

Puente de Deusto: perto do edifício da Iberdrola e do Centro Comercial. A segunda ponte levadiça da cidade, mas que deixou de abrir em 1996.

Pontes La Salve, Pedro Arrupe, Deusto e Euskalduna

Puente Euskalduna: fica sobre o museu marítimo, junto ao palácio de congressos e da música e do parque Dona Cassilda. É uma ponte “baixa”, o que fez com as pontes levadiças de Deusto e da câmara deixassem de funcionar dessa forma, e impediu a passagem de barcos maiores na ria a partir deste ponto. Obra de 1997 do arquitecto Javier Manterola. É uma ponte em curva, com ciclovia coberta, e com uma torre de iluminação de 45 metros.

Pontes de Bilbao fora da cidade:

Puente Frank Gehry: a primeira pedra foi lançada pelo próprio Frank O. Gehry em 2014. Une Deusto à ilha Zorrozaurre.

Puente Bizkaia: é uma ponte rolante, algo muito utilizado para fins industriais ou em obras, mas aqui serve para fazer atravessar passageiros e carros sem impedir a passagem de barcos. Une Portugalete a Getxo e foi muito utilizada pelos habitantes das duas margens para visitarem as respectivas praias. É desde 2006 uma obra de engenharia reconhecida pela UNESCO. Deve ser visitada ao entardecer.

Navegar na ria:

Outra forma de ver todas as pontes de Bilbau pode ser de dentro da ria, navegando. Podem fazer passeios de barco para atravessar a ria, de Bilbao a Portugalete (8€), de Bilbao a Getxo (12€), ou em sistema de hop-on hop-off, que custa 19€ por um período de 24h. Um passeio de 60 minutos desde o Ayuntamento até à ilha de Zorrozaurre custa 13€. Há várias empresas que fazem estes passeios, é só verem com alguma antecedência.

Outros artigos:

Conhecer a cidade num fim de semana;

Museu Guggenheim

Teatro Arriaga (em desenvolvimento)

Circular pela cidade de sair do aeroporto (em desenvolvimento)

365 dias no mundo estiveram em Bilbau de 10 a 12 de janeiro de 2020

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: