“GASTROTURISMO” PELO NORTE DE PORTUGAL

Há várias formas de conhecer os locais: pela sua história, pela sua arquitetura, pela sua natureza, pela sua identidade, pelas suas pessoas, pela sua cultura, pela sua gastronomia, entre outras. Uma das formas que nos agrada é a gastronomia, porque a culinária local diz-nos muito de uma região. Com a gastronomia aprendemos sobre os hábitos, sobre a agricultura, sobre as influências exteriores, sobre a história e identidade dessa região.

Em junho percorremos a Estrada Nacional 103 a convite do Turismo do Porto e Norte (ver aqui) e provámos maravilhas. Mais recentemente, em Arouca, também fomos conquistados pelo estômago (ver aqui).

Apesar de ser possível fazer qualquer tipo de dieta nesta região de Portugal, o forte do norte é a carne, seja ela barrosã, mirandesa, cachena ou arouquesa. Estas denominações têm a ver com as características do gado, como as vacas cachenas, por serem de porte pequeno, palavra de origem galega que significa pequeno, e com a zona onde vivem, como o planalto do Barroso ou a zona de Bragança (mirandesa). Todas estas carnes são DOP. Comecemos então por aqui:

Esta posta é arouquesa, do Pedestre 142, mas não duvidem que seria igualmente maravilhosa em Mirandela, Bragança, Boticas ou Montalegre.

Este prato tradicional de vitela, da Casa dos Bifes Silva em Alvarenga, conquistou-nos pelo paladar e por estar tão tenra que não precisámos de faca para a cortar.

Por exemplo, em Ponte de Lima, não podem perder as papas de sarrabulho com rojões. Sabemos que nem toda a gente aprecia, mas aqui há dois fãs.

Nesta descrição saltámos as entradas, mas recuemos agora um pouco no menu. No norte é comum a mesa já ter os enchidos e pão à vossa espera. Muitas vezes estão em tábuas e são acompanhados de queijos.

Não faltam salpicões, chouriços, alheiras, presuntos ou paios. Os sítios mais arrojados, como o Vai à Fava de Ponte da Barca, até podem servir reinvenções, como o salame com nozes ou o folhado de alheira.

Não queremos cingir-nos às carnes. Os apreciadores de peixe vão encontrar iguarias cozinhadas com o típico bacalhau, ou com truta, entre outros. Junto à costa há mariscos, como em Vila Praia de Âncora, onde comemos arroz de marisco e feijoada de búzios.

Tem menção honrosa para nós a bola de carne do Manuel Natário, em Viana do Castelo.

Entrando nas sobremesas, começa a não ser consensual. Para a Raquel, a maioria destes doces são demasiado açucarados, o que traz vantagens para o Tiago. Sobra sempre mais para ele. A origem de quase todos é a doçaria conventual. Freiras e monges juntavam ovos e açúcar e faziam verdadeiros milagres.

Porta do Mezio

A gastronomia nesta região é rica e consistente, há que aguentar os invernos frios e o trabalho de campo. É importante que a dieta seja rica em gordura e proteína para aguentar a dureza do dia-a-dia. Se é uma dieta muito saudável? Um dia não são dias, e Portugal é isto: enchidos, postas de carne e doces conventuais regados com bons vinhos.

O que seria da gastronomia sem o devido acompanhado vínico? A oferta aqui é para todos os gostos, sejam verdes, brancos ou tintos.

Aprendemos inclusive que um bom vinho verde tinto, neste caso o Aguião, se bebe em malga e desenha uma flor nas paredes da malga.

365 dias no mundo recomendam uma ida ao norte para comer e beber bem de forma tipicamente portuguesa.

Este artigo pode conter links afiliados.s

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: