OXFORD, ENTRE A UNIVERSIDADE E OS LIVROS (REINO UNIDO)

all souls college

O nosso conhecimento de Inglaterra é limitado, mas somos viajantes assíduos de Londres e a Raquel conhece Brighton. Em março de 2020, dias antes do mundo se fechar às viagens, riscámos também Oxford do nosso mapa to-do. Porquê Oxford? Não somos particularmente fãs de Harry Potter nem nos apetece voltar à faculdade, mas tínhamos amigos nesta histórica cidade.

A Miriam é das amigas mais antigas da Raquel e já lhe proporcionou experiências absolutamente inesquecíveis, como assistir à gravação de um CD de música barroca, estar na plateia na reposição da Ópera que estava em cena quando se deu o terramoto de 1755 e assistir a imensos concertos da orquestra barroca da Casa da Música. Visitar a Miriam e sua família era ponto assente. Íamos a Oxford.

Para esta viagem pesquisámos zero, nada… Sabem aquelas viagens em que o que importa são os abraços, as refeições, os convívios? Estávamos assim. Em Londres tínhamos aumentado o nosso stock de material de viagem para o blog, mas em Oxford íamos curtir os amigos. Isso implicaria não visitar muita coisa.

Como chegar e partir:

De Londres:

Nós optámos pelo comboio, mais caro (56,20£ para os dois), mas rápido (uma hora). A viagem foi feita perto da hora de almoço, depois de um abusivo brunch no Brother Marcus com outros amigos, por isso comprámos apenas umas sandes. À saída da estação fomos ter a casa dos nossos amigos de autocarro. Da estação ao centro podem apanhar um autocarro ou ir a pé.

No regresso a Londres fomos de autocarro. Há autocarros diretos para alguns aeroportos. A viagem é mais atribulada e demora o dobro do tempo, mas pela diferença de preço recomendamos o autocarro (18£ para os dois).

De qualquer forma, ambas as opções são confortáveis, com Wi-Fi e fichas para carregar os telemóveis. Recomendamos.

O que visitar:

Nós resolvemos essa questão facilmente, free walking tour no domingo. Fizemos com a Footprints Tours e correu bem. É uma experiência de duas horas em que um aluno da universidade nos acompanha pelas ruas da cidade e conta a história dos edifícios e da universidade. Se não sabem o que é uma free walking tour nós explicamos neste artigo. Éramos quatro adultos e três crianças e mais uns dez adultos no grupo.

Castelo e Prisão de Oxford: pouco resta do castelo, mas deve-se visitar a torre de são Jorge, as celas, descer às criptas e passear na área circundante. A visita custa 13,45£.

Carfax Tower: o que sobra da igreja de são Martinho, demolida em 1896. São 99 degraus para ver a cidade do topo, possível também na cúpula do teatro ou da Igreja st Mary. Custa 3£.

Covered Market: o mercado tem cerca de 40 lojas, é necessário conferir as lojas abertas e horários. Existe desde 1774, e recomenda-se aos amantes de mercados.

The Story Museum: é um museu perfeito para visitar com crianças ou adultos que vibrem com o mundo dos contos e fantasias. O preço varia e começa nos 5£.

Martyrs Memorial: o memorial dos mártires data de 1843 e é um ponto estratégico para servir de encontro. Existe em memória de três mártires protestantes (Cranmer, Ridley e Latimer) que foram queimados na fogueira em Oxford em 1555.

Saint Mary Magdalen Church: começou como uma pequena igreja de madeira que ardeu em 1074. A torre oeste é de 1511. Em 1841 a zona norte foi renovada em complemento com o memorial dos mártires.

Ashmolean Museum: datado de 1683, tem uma coleção impressionante de artefactos de todo o mundo, sendo pertencente à universidade. No restaurante do museu pode-se lanchar ou almoçar um sunday roast. A entrada é gratuita, o que é uma vantagem.

Blackwell’s Bookstore: esta livraria deve ser visitada, pois data de 1879, tem 4 andares e 125.000 livros à venda. Tem tudo o que possam imaginar. A nós conquistou-nos pela secção de viagem.

Universidade de Oxford: Para começar, Oxford é uma espécie de Coimbra inglesa, super universitária. Vendem-se trajes nas lojas, há faculdades por toda a parte, tem inúmeros ex-alunos famosos e outras tantas tradições. Falamos da segunda universidade mais antiga do mundo e a mais antiga anglófona. Aqui estudaram nomes como CS Lewis, Tolkien, Emma Watson, Prémios Nobel (Malala, por exemplo) e chefes de estado de todo o mundo (Boris Johnson é um deles). São 38 faculdades de gestão independente espalhadas pela cidade e em majestosos edifícios, como se fossem mosteiros. Também existem 6 permanent private halls de gestão religiosa. A universidade tem igrejas, bibliotecas e museus que devem visitados. Recomenda-se que visitem o Christ Church College (onde fica a catedral) ou o New College. Os fãs de Harry Potter devem visitar o claustro do New College e a Divinity School. Radcliffe Camera (a biblioteca circular) não é fácil de visitar se não forem alunos.

Ponte dos Suspiros: pertence à faculdade de Hetford. Oficialmente o seu nome não é Bridge of Sights, mas há quem a ache parecida com a Ponte dos Suspiros de Veneza. A sua influência vem da Ponte de Rialto na mesma cidade.

Oxford

Sheldonian Theater: é uma das primeiras obras de Sir Cristopher Wren, arquiteto da St. Paul’s Cathedral, em Londres. Pertence à universidade e muitos eventos das faculdades acontecem aqui. O teatro recomenda visitas guiadas com a Oxford City Walks. São visitas privadas, pela cidade, em que se pode visitar a cúpula do teatro e aprender sobre a sua história. Visitar a cúpula, sótão e teatro custa 3,5£, a visita guiada 8£. Fica à frente da Bodleian Library e ao lado do History Science Museum.

Eagle and child pub: o pub é do St John’s College. Tolkien e CS Lewis vinham beber aqui.

The Bear Inn: é o pub mais antigo, de 1242. Desde 1957 é tradição doar as gravatas por uma pint (570ml de cerveja). As gravatas têm que ser associativas ou representativas de alguma instituição. Há cerca de 4500 doações.

The Grand Cafe: autointitula-se a primeira coffee house de Inglaterra (segundo o diário de Samuel Pepys de 1650). Podem também beber aqui um chá das cinco, mas dizem que manda a tradição que o chá seja no Macdonald Randolph Hotel.

Coral Evensong: acontece em várias capelas das faculdades. São 45 minutos de um culto com música aberto ao público. Podem ver a programação aqui.

G&D’s Cafe: segundo imensos guias, comer um gelado aqui é imprescindível (não experimentámos).

Headington Shark: desde 1986, a 5km do centro, encontra-se aqui um tubarão de 25m em fibra de vidro, num telhado. É um airbnb, mas foi criado como uma crítica à guerra.

Blenheim Palace: se tiverem tempo e quiserem desviar um bocadinho as atenções do ambiente de cidade universitária, é só irem até aos arredores. Neste belo palácio barroco nasceu Wiston Churchill. Custa 28,50£ para visitar tudo e 18,5£ para ficar pelo parque e jardins.

Passeio de barco no Tamisa: a história de Alice no País das Maravilhas nasceu em passeios de barco para entreter a filha do reitor, Alice Lidell. Lewis Carrol, pseudónimo de Charles Dodgson inspirou-se nestes passeios. Por falar em Alice, visitem a loja (no livro é a velha loja de ovelhas). Se passearem junto às margens do Tamisa verão várias casas barco e até alguns pubs navegantes.

Túmulo de Tolkien: deve ser dos estudantes mais famosos de Oxford e o seu túmulo pode ser visitado no cemitério de Wolvercote.

Não visitámos quase nada, mas saímos de coração cheio. Fomos apresentados ao pequeno-almoço inglês e ao sunday roast (assado de domingo) com os Yorkshire Puddings. Tudo feito em casa e super saboroso.

365 dias no mundo estiveram em Oxford de 7 a 9 de março de 2020.

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: