COVID-19: VIAJAR EM SEGURANÇA

Não somos um exemplo de viajantes em tempos de Covid-19 porque optámos por não sair de Portugal desde março, mas há cuidados óbvios para quem o quer fazer que queremos partilhar.

No início de 2020 fizemos duas viagens dentro da Europa quando já se falava em covid-19, mas quando ainda se acreditava que ia ficar confinada a alguns países (tão ingénuos).

A 31 de janeiro fomos de Lisboa a Milão (destino final: Ticino, Suíça) com os pais da Raquel. Já víamos pessoas de máscaras, poucas, mas ainda foi uma viagem normal. Enquanto o Tiago foi buscar o carro alugado, a Raquel esperou pelas malas de porão. Lembramo-nos que na primeira oportunidade fomos todos ao WC lavar às mãos, mas não tivemos muitos outros cuidados porque o aeroporto estava quase vazio. Tínhamos um frasco de álcool gel que usámos, mas não tanto como passámos a fazer a partir de março.

Um mês e pouco depois, em março, fomos ao Reino Unido, que na altura não era considerado corredor Covid-19. Mantivemos a viagem porque tínhamos bilhetes para a cerimónia das chaves na Torre de Londres, bilhetes que a Raquel tinha reservado em 2018 (podem ler sobre a cerimónia aqui), porque íamos para estar com amigos, e porque o hospital da Raquel não desaconselhou a viagem. Tivemos alguns cuidados, mas ainda não se falava em usar máscara no dia a dia. A Raquel usava no hospital, mais do que faria normalmente, mas só aí. Já havia desinfetantes em vários sítios, mas nada de anormal. Regressámos no dia 12, a 15 as férias no hospital da Raquel foram suspensas, e no dia 18 entrámos em estado de emergência. Na altura a Raquel ligou para o hospital e recebeu sempre a informação que o Reino Unido não era considerado corredor de transmissão, por isso poderíamos fazer a vida normal.

A partir daí toda a vida mudou. Temos amigos e conhecidos que estavam em viagem quando as fronteiras começaram a fechar e vimos que não foi fácil. Para uns foi difícil regressar, para outros foi difícil não regressar, porque eram vistos como turistas portadores de Covid-19. E muitos ficaram na dúvida se valia a pena esperar pelo voo marcado ou antecipar o regresso. Talvez por isso, desde essa altura, tenhamos optado por não comprar voos para lado nenhum, sempre com receio das fronteiras voltarem a fechar e ficar com o dinheiro empatado em vouchers. A Raquel ainda fez algumas viagens casa-trabalho-casa de comboio, mas acabou por passar a ir de carro (não porque achasse inseguro, mas porque foram suspensos alguns horários). O Tiago passou grandes temporadas a trabalhar em casa.

Voltámos a sair para passear em junho, mas sempre dentro de Portugal. As regras tinham mudado e usávamos máscaras em todas as atividades. O Tiago fez teste PCR no final de março, que deu negativo, e até agora nunca foi necessário fazer mais testes a nenhum dos dois.

Voltemos aos conselhos para quem quer viajar, apesar de pairar o inesperado no mundo das viagens.

Planear a viagem:

  • Se querem sair do país de avião, comprem viagens que sejam fáceis de alterar, a companhias/agências “fiáveis” (algumas faliram neste período).
  • Estudem o país de destino e as regras da companhia de transporte, alguns exigem quarentena à chegada ou teste negativo na partida.
    • Nota: não falamos em perguntar em grupos de internet, mas em ir às páginas oficiais da companhia áerea e à do Ministério dos Negócios Estrangeiros e procurarem o país para onde vão.
  • Se tiverem quaisquer sintomas, como é lógico, não viajem!
  • Registem-se na APP Registo de Viajante (falámos dela aqui) e vejam os conselhos para o país de destino.
  • Comprem desinfetante, toalhitas desinfetantes e máscaras suficientes para a viagem. Não se esqueçam que em aviões só podem levar na cabine frascos de 100ml.
  • Não se esqueçam do seguro de viagem, nós fazemos com a IATI, e estes seguros podem ter uma cobertura anti Covid-19 (podem ler aqui). Já sabem que connosco têm 5% de desconto (é só clicar na imagem do fim do artigo), mas os preços são sempre competitivos.
  • Lembrem-se que um teste negativo à Covid-19 apenas significa que estavam negativos no momento do teste, por isso mantenham uma vida social restrita até ao embarque, continuem com os cuidados habituais e estejam atentos a qualquer sintoma novo.

Durante a viagem:

  • Seja de autocarro, comboio ou avião, o importante é manter a distância dos outros, não se esqueçam dos dois metros.
  • Toquem o mínimo possível nas superfícies.
  • Levem uma máscara limpa. Reforçamos que não devem tocar nela com as mãos. As mãos devem ser desinfetadas antes de colocar a máscara e depois de a retirar, sempre pelos elásticos. Quando não estão a usar a máscara tenham uma bolsa de papel ou algo do género, limpo, para a pousar e guardar.
  • Tentem ser vocês a guardar e tirar a vossa bagagem.
  • Sempre que possível levem o bilhete eletrónico e tentem fazer check-in online nos voos.
  • Paguem com telemóvel ou cartão contactless, para não mexerem em dinheiro.
  • Cheguem cedo, as regras atuais podem fazer com que tudo demore mais tempo.
  • Levem os vossos auscultadores e o vosso lanche, alguns serviços podem estar suspensos.
  • Se vão partilhar carro com amigos ou familiares, lembrem-se que se não fazem parte do vosso agregado familiar devem usar máscara.
  • De táxi usem máscara, desinfetem as mãos e sigam as regras de lotação.
  • Não voltámos a alugar carro, mas as rent-a-car seguem regras rigorosas de higiene e desinfeção, por isso, desde que não partilhem o carro. é relativamente seguro.

A estadia:

  • Os hotéis, hostels e AL’s aderiram em massa a programas tipo Clean & Safe, por isso são seguros.
  • Alguns podem ter o SPA fechado ou com outras regras, perguntem quando reservarem.
  • Os pequenos-almoços em buffet mudaram e até há hotéis que passaram a servir bandejas no quarto.
  • Fora do quarto têm de usar máscaras.
  • Nos alojamentos locais em que reservam todo o espaço reina o bom senso.
  • Alguns serviços extra estão suspensos.
  • Existe um livro de segurança onde estão os contactos das autoridades sanitárias, as regras, o que mudou no alojamento, e o que devem fazer se tiverem sintomas.
  • A maioria das atividades turísticas mudou. Mesmo ao ar livre é exigido máscara (depende do país), os grupos podem estar mais pequenos e ser necessário reservar com antecedência.
  • Alguns museus e atrações podem estar temporariamente fechados ou com os horários reduzidos.
  • Pode ser necessário deixar medir a temperatura para entrar em hotéis, museus e outros espaços públicos, e em quase todos é obrigatório desinfetar as mãos. Fomos à exposição Meet Vincent Van Gogh em Lisboa e tivemos que desinfetar as mãos, entrar por tapete de desinfeção e medir a temperatura. Os auscultadores estavam desinfetados.
sterna aveiro

Este artigo pode conter links afiliados.

Iati seguros

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

2 thoughts on “COVID-19: VIAJAR EM SEGURANÇA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: