PELO MUNDO DA UNIVERSIDADE DE OXFORD (REINO UNIDO)

Não se sabe bem desde quando existe a Universidade de Oxford, mas sabe-se que já existia no longínquo ano de 1096. É a universidade mais antiga do mundo anglófono e, no resto do mundo, é apenas superada pela Universidade de Bolonha.

Quando Henrique II proibiu os ingleses de estudarem em Paris, a Universidade de Oxford cresceu, mantendo-se ainda hoje como uma das mais procuradas. Em conflito, alguns professores mudaram-se para Cambridge para uma nova universidade, que acabou por se tornar também das mais importantes, dando origem a uma antiga rivalidade. Às duas universidades chama-se Oxbridge.

Voltando a Oxford, mais de 24 000 alunos estudam na universidade, com sete candidatos para cada vaga disponível. Nos últimos três anos (2017-2019) ficou em primeiro lugar no ranking mundial THE (times higher education).

A universidade tem uma série da faculdades (Colleges) de renome e muitos estudantes famosos na sua lista de diplomados. Aqui estudaram Stephen Hawking, J. R. R. Tolkien, Indira Gandhi, Oscar Wilde, Malala Yousafzai, entre muitos outros notáveis. Dezenas de primeiros-ministros ingleses e prémios nobel diplomaram-se aqui. As faculdades seguem um método específico, o sistema de tutoria. Um tutor tem até um máximo de três alunos, que apoia os colegas tirando dúvidas e fomentando o discurso argumentativo. É um sistema que privilegia a autonomia dos estudantes, já seguido noutras universidades.

Além de ser disputada por jovens que querem um diploma de Oxford, é também cenário de filmes, palco de histórias e walking tours temáticas.

Pontos de interesse da Universidade:

Ponte dos Suspiros (Hertford Bridge): é um dos marcos da cidade. Une as duas partes do Hertford College em New College Lane. A ponte fica em frente à Biblioteca Bodleian e é assim denominada pelas semelhanças com a ponte dos suspiros de Veneza, apesar de ter influência na Ponte de Rialto.

Oxford

Jardim Botânico da Universidade: é o mais antigo da Grã-Bretanha, datado de 1621. Faz parte o Harcourt Arboretum, a quinze minutos de Oxford. O site sugere que reservem o horário de visita com antecedência. O bilhete custa 5,45£.

Museu Ashmolean: é o mais antigo do país e um dos mais antigos do mundo. A entrada é gratuita e abre diariamente, sendo recomendada a pré-reserva. Foi fundado em 1683 e alberga as coleções de antiguidades e arte da universidade.

Museu de História Natural: é o maior museu privado do género. O museu abre diariamente e é gratuito.

Museu de História da Ciência: Aqui encontram uma coleção de instrumentos científicos. Abre de terça a domingo, a partir das 12h. É gratuito, mas recomenda-se a pré-reserva.

Museu Pitt Rivers: neste museu concentram-se objetos de todo o mundo. O museu é gratuito, abre de terça a domingo, e recomenda-se pré-reserva.

Coleção Bate: na faculdade de música (St Aldate’s) existe uma belíssima coleção de instrumentos musicais. Abre de segunda a sexta à tarde, e ao sábado de manhã. A entrada também é gratuita.

Biblioteca Bodleian e Weston: são as maiores bibliotecas do Reino Unido e abrem diariamente. Através de visitas guiadas é possível entrar nas salas históricas da Old Bodleian Library (Divinity School, Duke Humfrey’s Library e Radcliffe Camera). Radcliffe Camera não é fácil de visitar, fomos impedidos até de atravessar o jardim.

Igreja de Cristo: existe uma grande coleção de fotografia nesta igreja da Praça Oriel. O bilhete custa 5£ e o horário deve ser consultado no site. A Catedral pode ser visitada juntamente com o claustro, hall e grande salão por 15£. Junto ao jardim botânico ou pelo Memorial Garden St Aldate’s é possível aceder ao Christ Church Meadow. No relvado aconteceram alguns dos primeiros voos de balão da Inglaterra e continua a ser um espaço para lazer e convívio. Nós passámos do relvado para o centro pela Grove Walk, um percurso que tem graça por se ter de passar por um portão estreito (nota: não é acessível a pessoas com mobilidade reduzida ou carrinhos de bebé).

Teatro Sheldonian: aqui acontecem reuniões e cerimónias da universidade. O teatro tem uma vista panorâmica sobre a cidade, na cúpula. Tem um tecto pintado por Robert Streater. Custa 3,8£, mas o horário é condicionado pelos seus eventos. As visitas guiadas custam 8£.

Igreja da Universidade (St Mary Church): mais um local que permite uma vista panorâmica sobre Oxford, onde existe também um café com horta. A torre da igreja é de 1280, decorada com gárgulas. São 127 degraus, passando pelo mecanismo do relógio de 1741. A entrada na torre é paga (5£).

Faculdades: quase todas podem ser visitadas de forma gratuita, algumas cobram taxas de 2 a 5£.

all souls college

Lojas académicas: inúmeras lojas pela cidade vendem trajes académicos ou roupa alusiva às faculdades, como polos ou cachecóis. A universidade de Oxford é bastante exigente nas regras do traje e de como e quando deve ser usado. O básico é composto por bata preta, capuz e boné quadrado ou boné macio, mas alguns graus exigem especificações individuais.

Não esquecer de passear pelos jardins da Universidade de Oxford.

Para conhecerem um roteiro pela cidade cliquem aqui.

365 dias no mundo estiveram em Oxford de 7 a 9 de março de 2020.

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: