9 PASSOS: O MELHOR DO VIMIOSO (PORTUGAL)

Estivemos no Vimioso no final de junho e adorámos. O concelho transmontano que faz parte da rota da terra fria e da rota do azeite é tradição e qualidade de vida. Mas o que torna o Vimioso especial? As suas freguesias, as suas tradições na cestaria, lã e apicultura. A influência da chegada dos judeus, com a sua alheira para enganar quem os queria encontrar. E a sua localização estratégica junto a Espanha.


Está aqui o nosso top 5, mas há mais que ver, e falaremos nisso mais tarde. Estejam atentos.

1- Posta mirandesa

Comecemos pela gastronomia: esta região prima pela bela da posta de carne mirandesa. Aquele naco de carne suculento, alto, mal passado, tenro e saboroso, acompanhado de arroz, batatas fritas ou a murro, salada ou pimentos assados. Também as alheiras, o presunto (a melhor cura é do outro lado da fronteira), o botelo, o cabrito e a vitela. No peixe, os peixinhos do rio e o bacalhau. Nos doces, a bola doce (“bôla”) e os pastéis de amêndoa.

Nós fizemos refeições no Curral d’Avó, um repasto ao jantar com presunto, posta mirandesa, bacalhau e a bola doce. No restaurante A Vileira voltámos aos enchidos e queijos, posta mirandesa, costeletinhas panadas e peixinhos de rio, terminando com licores variados. No hotel rural Senhora de Pereiras, além das típicas entradas, comemos bacalhau e costeletinhas de cabrito grelhadas. Nas sobremesas ficámos “apenas” pelos queijos e doces variados. Em qualquer refeição fomos sempre acompanhados de bons vinhos da região. Imperdíveis são também os pasteis de amêndoa da Pizzaria Pires, a casa onde “nasceu” a tradição, e podemos dizer que ficámos fãs.

2- 9 PASSOS

Vimioso tem um dos seus trilhos no programa 9 passos. Aqui faz-se o caminho do Castelo do Algoso, que começa junto à igreja matriz, segue até ao pelourinho e antiga câmara municipal, uma ligeira subida ao castelo (que não devem ser feita nas horas de calor), aprendem a lenda do crocodilo e avançam até ao rio à procura das lontras, lagostins, cágados e cobras de água. O percurso é circular e tem 6,8km, demorando 3 horas e meia a percorrer. No nosso passeio “só” vimos cágados, cobras e lagostins. Vale a pena fazer o desvio até à ponte medieval caminhando sobre a calçada medieval.
O programa tem uma APP onde conseguem consultar os 9 trilhos de cada um dos concelhos do projeto Trás-os-Montes Natura. Ainda tem a vantagem de indicar se estão no ponto inicial certo e aprender mais sobre cada percurso. O passaporte 9 passos permite carimbar a passagem por cada um dos percursos e vem acompanhado de um folheto do concelho. O percurso do castelo do Algoso foca-se na fauna do rio Angueira. Sabem o vinho papa-figos, cujo rotulo é o pássaro homónimo? O papa-figos habita nesta região.

3- Termas de Terronha

Então primeiro come-se, depois caminha-se e, no fim, relaxa-se nas termas no vale do rio Angueira. As termas de Terronha focam-se em tratamentos respiratórios, reumáticos, dermatológicos e musculoesqueléticos. A sauna e o banho turco ficam junto à piscina e tem uma vista agradável. Tem ainda oito salas de tratamento e ginásio.
As termas têm uma equipa médica que faz a consulta e indica qual o equipamento mais apropriado para o vosso tratamento, mas também se pode usufruir como SPA.

4- P.I.N.T.A.

No Parque Ibérico de Natureza e Aventura aprende-se sobre a vida no concelho e os vales dos rios Angueira, Maçãs e Sabor. Conseguimos identificar alguns pássaros e borboletas, saber mais sobre os hábitos da região e as ferramentas utilizadas para proteger os rebanhos, trabalhar na cestaria, na lã e na apicultura, entre outros.
Com o senhor Aníbal e a dona Rosa aprendemos a antiga arte dos escrinhos, que se está a perder nestes tempos modernos. A recolha do material dá trabalho, prepará-lo também, e a própria técnica exige destreza e força.
Junto ao PINTA fica o CALP – Centro de Atividades Lúdico-Pedagógicas do Burro de Miranda – onde encontram os burros de Miranda, uma espécie protegida. O centro serve para consciencializar a população para a espécie, podem cuidar deles, escovar, colocar a albarda e dar um passeio com estes amigos de 4 patas. O CALP trabalha também com associações, utilizando os burros em terapias. Também os podem apadrinhar por apenas 20€ por ano, uma iniciativa da AEPGA para financiar o trabalho de preservação da espécie.

PINTA vales de vimioso
2 burros no CALP vimioso
escrinhos de vimioso

5- Centro de Vimioso

A vila do distrito de Bragança fica junto a Espanha, Mogadouro, Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros e Bragança. O Vimioso tem 10 freguesias, entre elas, Algoso, de que já falámos e já foi sede de concelho. Preserva ainda o pelourinho e o edifício onde se instalou a câmara, mas o ex-libris é o castelo, que juntamente com o do Vimioso protegia a região. O castelo do Vimioso já não existe, encontrando-se no seu lugar o Arquivo Municipal. Também existe a atalaia, que visitámos de noite. A igreja matriz fica junto aos pasteis de amêndoa da Pizzaria Pires. A igreja pensa-se ser do período Filipino e é dedicada a são Vicente. Tem uma característica engraçada, o seu piso é inclinado. A fonte ficava em frente, foi retirada e posta lateralmente. Na Casa da Cultura vimos uma exposição de máscaras e o Museu Etnográfico, onde se aprende mais sobre as tradições da região, passando pelas ferramentas que se utilizavam nas diferentes artes, a pastorícia, o dia-a-dia das suas gentes, encontrando-se algum mobiliário das habitações tradicionais e das escolas “do antigamente”. Se conjugarem com uma visita ao PINTA vão certamente descobrir ferramentas de que nunca ouviram falar. Foi na casa da cultura que carimbámos o passaporte.
Para uma vista panorâmica sobre os vizinhos fomos ao Santuário de nossa senhora de Pereiras. Temos pena de não ter visto a Atalaia e o Santuário de dia, com calma.

igreja matriz de vimioso

A região raiana, pela sua proximidade a Espanha, foi terra de contrabando. Muitas famílias sobreviveram graças a esta “arte”. No 12º aniversário da ASAE foi aqui inaugurado o Memorial da Mobilidade Transfronteiriça, Contrabando e Fiscalização, onde podem aprender mais sobre a história antiga e também sobre os tempos atuais de contrafação e fiscalização.

museu do contrabando, vimioso

Podíamos falar de muito mais, como dos caricatos pombais, das cabanas em Caçarelhos, das noites estreladas, e de como a população sabe tão bem receber.

melão, presunto, vinho rose e piscina

365 dias no mundo estiveram no Vimioso de 25 a 27 de junho a convite da Comunidade Intermunicipal das Terras de Trás-os-Montes

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

4 thoughts on “9 PASSOS: O MELHOR DO VIMIOSO (PORTUGAL)

  1. Já lá estivemos nas termas da Terronha, em 2016 e foi espectacular. A Vila é muito simpática e, não podemos esquecer uma Pizzaria no centro, gerida por um casal novo muito simpático, cuja qualidade era fenomenal.
    Visitámos Algoso e foi difícil ir ao castelo porque estava um vento forte e gelado que não deixou fazer a visita como devia ser. Isto foi em Junho.

    Um destes dia teremos que repetir a visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: