9 PASSOS: O MELHOR DO VIMIOSO (PORTUGAL)

Estivemos no Vimioso no final de junho e adorámos. O concelho transmontano que faz parte da rota da terra fria e da rota do azeite é tradição e qualidade de vida. Mas o que torna o Vimioso especial? As suas freguesias, as suas tradições na cestaria, lã e apicultura. A influência da chegada dos judeus, com a sua alheira para enganar quem os queria encontrar. E a sua localização estratégica junto a Espanha.


Está aqui o nosso top 5, mas há mais que ver, e falaremos nisso mais tarde. Estejam atentos.

1- Posta mirandesa

Comecemos pela gastronomia: esta região prima pela bela da posta de carne mirandesa. Aquele naco de carne suculento, alto, mal passado, tenro e saboroso, acompanhado de arroz, batatas fritas ou a murro, salada ou pimentos assados. Também as alheiras, o presunto (a melhor cura é do outro lado da fronteira), o botelo, o cabrito e a vitela. No peixe, os peixinhos do rio e o bacalhau. Nos doces, a bola doce (“bôla”) e os pastéis de amêndoa.

Nós fizemos refeições no Curral d’Avó, um repasto ao jantar com presunto, posta mirandesa, bacalhau e a bola doce. No restaurante A Vileira voltámos aos enchidos e queijos, posta mirandesa, costeletinhas panadas e peixinhos de rio, terminando com licores variados. No hotel rural Senhora de Pereiras, além das típicas entradas, comemos bacalhau e costeletinhas de cabrito grelhadas. Nas sobremesas ficámos “apenas” pelos queijos e doces variados. Em qualquer refeição fomos sempre acompanhados de bons vinhos da região. Imperdíveis são também os pasteis de amêndoa da Pizzaria Pires, a casa onde “nasceu” a tradição, e podemos dizer que ficámos fãs.

2- 9 PASSOS

Vimioso tem um dos seus trilhos no programa 9 passos. Aqui faz-se o caminho do Castelo do Algoso, que começa junto à igreja matriz, segue até ao pelourinho e antiga câmara municipal, uma ligeira subida ao castelo (que não devem ser feita nas horas de calor), aprendem a lenda do crocodilo e avançam até ao rio à procura das lontras, lagostins, cágados e cobras de água. O percurso é circular e tem 6,8km, demorando 3 horas e meia a percorrer. No nosso passeio “só” vimos cágados, cobras e lagostins. Vale a pena fazer o desvio até à ponte medieval caminhando sobre a calçada medieval.
O programa tem uma APP onde conseguem consultar os 9 trilhos de cada um dos concelhos do projeto Trás-os-Montes Natura. Ainda tem a vantagem de indicar se estão no ponto inicial certo e aprender mais sobre cada percurso. O passaporte 9 passos permite carimbar a passagem por cada um dos percursos e vem acompanhado de um folheto do concelho. O percurso do castelo do Algoso foca-se na fauna do rio Angueira. Sabem o vinho papa-figos, cujo rotulo é o pássaro homónimo? O papa-figos habita nesta região.

3- Termas de Terronha

Então primeiro come-se, depois caminha-se e, no fim, relaxa-se nas termas no vale do rio Angueira. As termas de Terronha focam-se em tratamentos respiratórios, reumáticos, dermatológicos e musculoesqueléticos. A sauna e o banho turco ficam junto à piscina e tem uma vista agradável. Tem ainda oito salas de tratamento e ginásio.
As termas têm uma equipa médica que faz a consulta e indica qual o equipamento mais apropriado para o vosso tratamento, mas também se pode usufruir como SPA.

4- P.I.N.T.A.

No Parque Ibérico de Natureza e Aventura aprende-se sobre a vida no concelho e os vales dos rios Angueira, Maçãs e Sabor. Conseguimos identificar alguns pássaros e borboletas, saber mais sobre os hábitos da região e as ferramentas utilizadas para proteger os rebanhos, trabalhar na cestaria, na lã e na apicultura, entre outros.
Com o senhor Aníbal e a dona Rosa aprendemos a antiga arte dos escrinhos, que se está a perder nestes tempos modernos. A recolha do material dá trabalho, prepará-lo também, e a própria técnica exige destreza e força.
Junto ao PINTA fica o CALP – Centro de Atividades Lúdico-Pedagógicas do Burro de Miranda – onde encontram os burros de Miranda, uma espécie protegida. O centro serve para consciencializar a população para a espécie, podem cuidar deles, escovar, colocar a albarda e dar um passeio com estes amigos de 4 patas. O CALP trabalha também com associações, utilizando os burros em terapias. Também os podem apadrinhar por apenas 20€ por ano, uma iniciativa da AEPGA para financiar o trabalho de preservação da espécie.

PINTA vales de vimioso
2 burros no CALP vimioso
escrinhos de vimioso

5- Centro de Vimioso

A vila do distrito de Bragança fica junto a Espanha, Mogadouro, Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros e Bragança. O Vimioso tem 10 freguesias, entre elas, Algoso, de que já falámos e já foi sede de concelho. Preserva ainda o pelourinho e o edifício onde se instalou a câmara, mas o ex-libris é o castelo, que juntamente com o do Vimioso protegia a região. O castelo do Vimioso já não existe, encontrando-se no seu lugar o Arquivo Municipal. Também existe a atalaia, que visitámos de noite. A igreja matriz fica junto aos pasteis de amêndoa da Pizzaria Pires. A igreja pensa-se ser do período Filipino e é dedicada a são Vicente. Tem uma característica engraçada, o seu piso é inclinado. A fonte ficava em frente, foi retirada e posta lateralmente. Na Casa da Cultura vimos uma exposição de máscaras e o Museu Etnográfico, onde se aprende mais sobre as tradições da região, passando pelas ferramentas que se utilizavam nas diferentes artes, a pastorícia, o dia-a-dia das suas gentes, encontrando-se algum mobiliário das habitações tradicionais e das escolas “do antigamente”. Se conjugarem com uma visita ao PINTA vão certamente descobrir ferramentas de que nunca ouviram falar. Foi na casa da cultura que carimbámos o passaporte.
Para uma vista panorâmica sobre os vizinhos fomos ao Santuário de nossa senhora de Pereiras. Temos pena de não ter visto a Atalaia e o Santuário de dia, com calma.

igreja matriz de vimioso

A região raiana, pela sua proximidade a Espanha, foi terra de contrabando. Muitas famílias sobreviveram graças a esta “arte”. No 12º aniversário da ASAE foi aqui inaugurado o Memorial da Mobilidade Transfronteiriça, Contrabando e Fiscalização, onde podem aprender mais sobre a história antiga e também sobre os tempos atuais de contrafação e fiscalização.

museu do contrabando, vimioso

Podíamos falar de muito mais, como dos caricatos pombais, das cabanas em Caçarelhos, das noites estreladas, e de como a população sabe tão bem receber.

melão, presunto, vinho rose e piscina

365 dias no mundo estiveram no Vimioso de 25 a 27 de junho a convite da Comunidade Intermunicipal das Terras de Trás-os-Montes

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

4 thoughts on “9 PASSOS: O MELHOR DO VIMIOSO (PORTUGAL)

  1. Já lá estivemos nas termas da Terronha, em 2016 e foi espectacular. A Vila é muito simpática e, não podemos esquecer uma Pizzaria no centro, gerida por um casal novo muito simpático, cuja qualidade era fenomenal.
    Visitámos Algoso e foi difícil ir ao castelo porque estava um vento forte e gelado que não deixou fazer a visita como devia ser. Isto foi em Junho.

    Um destes dia teremos que repetir a visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: