COLONIA DEL SACRAMENTO (URUGUAI)

Tínhamos algumas expetativas em relação a Colonia del Sacramento. Afinal, foi fundada por portugueses, e toda a gente diz que isso está bem vincado no aspeto da cidade. Tínhamos visto imagens em blogs e em páginas doutros viajantes e sabíamos que havia marcas identificáveis.

Foi uma região palco de várias lutas navais com espanhóis e portugueses a disputarem a sua conquista.

Como chegar

Sair de Montevideo para Colonia del Sacramento foi fácil. Primeiro, para sair do centro e chegar ao Terminal Tres Cruces, apanhámos um autocarro na Avenida 18 de Julho. O preço depende de qual se apanha. Os que têm só números, tipo o 188, custam 30 pesos, os que têm como destino apenas Três Cruces, por exemplo o C01, custam 22 pesos. Chegando ao terminal, há vários autocarros para Colonia, o bilhete custa 339 pesos e a viagem demora 2,5 horas. Se não quiserem correr o risco de ter de esperar um pouco convém comprar antecipadamente. O terminal é recente e tem um shopping no piso superior, por isso pode ser interessante para fazer compras. (preços de 2017)

Chegando a Colonia del Sacramento, logo percebemos que era uma cidade completamente voltada ao turismo, quase exclusivamente na zona velha, de uma forma bastante inteligente. O terminal rodoviário e o fluvial são a uma caminhada do centro, onde estão a maioria das opções de alojamento. Tem ferry direto para Buenos Aires, numa posição privilegiada para cruzar o imenso estuário do Rio de la Plata. Desta forma, são “apenas” 50km entre as duas cidades, enquanto por estrada são mais de 450km, e sendo tão perto de Montevideo, torna-se uma paragem quase obrigatória, daí termos visto muitos turistas brasileiros e argentinos. Algumas estruturas do período em que estiveram sob domínio de Portugal estão em ruínas, principalmente o Palácio de Governantes, que foi desmantelado para levar o seu acervo para Buenos Aires. O município aproveitou as ruínas e fez uma praça centrada nelas.

DSC_3321
DSC_3307

Ao domingo a cidade ganha vida, com as ruas na zona velha repletas de turistas, muitos de excursões em autocarros. Os restaurantes da zona central estão cheios e as lojas de souvenires estão abertas para captar turistas. Apesar de estarmos a falar de uma cidade à beira rio, tal como em Rosário, as pessoas usam-no como praias fluviais. Centenas de pessoas “mergulharam” (não é bem mergulhar porque o rio não tem profundidade para isso nos primeiros cem metros da margem) nas águas para se refrescarem do calor que se sentiu no fim de semana de Carnaval. A praia mais frequentada fica mais afastada do centro e próxima à zona de desenvolvimento da cidade, a caminho da praça de touros. Apesar de ter sido construída numa altura em que a legislação o permitia, logo a seguir (dois anos depois) foi criada uma lei contra as touradas e a praça deixou de ter o seu propósito, encontrando-se neste momento em ruínas.

DSC_3361

O que visitar

Bairro histórico: é património mundial desde 1995. Foi fundado em 1680 e é uma marca da colonização portuguesa. A maioria das zonas de interesse ficam aqui, como as muralhas, o Farol e as Ruínas do convento de São Francisco de Xavier, a Basílica do Santíssimo Sacramento, a Praça 25 de Maio, a Rua dos Suspiros, Praça Manuel Lobo.

Farol: O farol de 1857 é o ponto mais alto da zona velha, permitindo uma observação panorâmica da cidade. O farol foi construído no local das ruínas dum convento franciscano. Subir custa 25 pesos.

DSC_3341

Puerta de campo: é o portão da cidade, que está em ruínas, tal como as muralhas.

Calle de los Suspiros: é uma das ruas mais visitadas.

Basílica del Santissimo Sacramento: uma igreja de 1680, a mais antiga do país.

Archivo e Museo del Carmen: é o museu de história e cultura carmelita. O edifício é de 1847. Os seus artefactos são principalmente religiosos.

Acuario: é um espaço de 250 metros quadrados em forma de gruta com exemplos de espécies da região. Abriu em 2006. Fecha à terça-feira. Custa 60 pesos. Podem ver a página aqui.

Casa de Nacarello: uma casa museu que retrata a vida dos colonos.

DSC_3342

Há vários museus que custavam 50 pesos (museu indígena, espanhol, português, municipal). Não fomos a nenhum porque optámos sempre por andar a pé pela cidade a conhecer as ruas.

Calle de Portugal: só pela graça vale a pena passar aqui e fotografar.

DSC_3326

Vale a pena caminhar na rambla junto ao rio.

Onde comer e compras?

Em toda a zona velha há restauração e lojas. Tudo tem um ar extremamente cuidado, mesmo quando são de decoração rústica. Podem parar na Plaza Mayor.

DSC_3338

Transporte na cidade

Há autocarros, mas assim que se sai do terminal em direção à zona velha começa-se a ver lojas de aluguer de bicicletas e carrinhos de golf, de 4 a 6 lugares. Nós preferimos caminhar.

Vale a pena?

Não vale sempre a pena ver até onde já foi Portugal e onde chegaram os portugueses? É uma cidade pequena com uma zona velha de casas baixas, pequenas, humildes, algumas degradadas, mas que permitem imaginar o que já foi um dia. Vale a pena sair de Montevideo e escolher ir para Buenos Aires por Colonia del Sacramento. A marca portuguesa encontra-se presente em muito mais do que a placa que diz “Calle de Portugal” e do que o museu. Encontra-se nos azulejos, na cruz dos descobrimentos, nas ruínas que ficaram, nas árvores de flor, na disposição das ruas. É uma cidade aconchegante, segura, calma, mas também movimentada pelo turismo.

DSC_3374
DSC_3391
DSC_3413

Este artigo pode conter links afiliados.

Se gostaram deste post e querem ler mais tarde façam PIN na imagem, para a guardarem no Pinterest.

colonia del sacramento
Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: