DIA 1 – SALAR DE UYUNI – UM MUNDO A 5000m DE ALTITUDE (BOLÍVIA)

Então, agora que já fizemos um resumo geral das recomendações e o que levar (aqui), vamos descrever o nosso tour por dias. Vai ser longo, esperemos que não se torne aborrecido, mas achamos importante descrever o tipo de serviço que tivemos, incluindo as refeições, para perceberem que vale cada peso gasto.

Dia 1 – O mundo a 5000m de altitude

A primeira paragem é o posto de imigração do Chile, ainda em San Pedro do Atacama. O motorista vai-nos buscar ao hostel cedíssimo, porque quanto mais cedo chegar ao posto PDI do Chile, mais cedo somos atendidos. É nessa altura que se percebe quantas pessoas saem por dia para fazer este tour. Vêem-se carrinhas de agências por todo o lado. Chegamos ao posto, este ainda se encontra fechado, mas depois de abrir é rápido. Entrega-se o formulário (tarjeta única migratória) e o passaporte, o funcionário carimba o passaporte e devolve-o. É nesta fase que conhecemos 6 das 7 pessoas com quem partilhamos os cerca de 4m³ de volume interior do jipe onde passaremos grande parte dos próximos 3 dias.

A segunda paragem é a fronteira propriamente dita, com a entrada na Bolívia, respetivo carimbo e pequeno-almoço. No nosso grupo éramos nós, a Carrie (galesa), o Daniel (brasileiro), o Michael (francês) e a Jin (sul-coreana). Só a Jin necessitava de visto e, de forma inteligente, pediu com antecedência, porque é mais caro na fronteira. Para os europeus o processo é simples, entregar passaporte, funcionário carimba e devolve.

DSC_7093
A fronteira

Apresentam-nos aqui a empresa com que vamos fazer o tour, a Cruz Andina. O motorista que nos leva até à fronteira é o que nos serve o pequeno-almoço. O pequeno-almoço foi fantástico – pão fresco (foi aqui que percebemos que andámos a comer pão ressequido todos estes dias, porque quando é fresco é mole), abacate, queijo, fiambre, bolo, banana, café, chá e chocolate quente. Havia variedade e quantidade. Quando chega o motorista e guia boliviano, no veículo que nos acompanha durante os próximos dias, começa a logística de arrumar as malas e as principais explicações. A mais importante é que a mochila colocada no tejadilho de manhã só sai no final do dia, portanto tudo o que vai ser preciso tem de estar na mochila que nos acompanha. Para este primeiro dia não se pode esquecer o fato de banho, chinelos e toalha de praia. Há todos os cuidados para as coisas ficarem bem presas e não se encherem de pó, com tudo embrulhado numa lona. Não há motivos de preocupação, nada voa durante a viagem, nem sequer os garrafões de água.

DSC_7095
O agradável pequeno almoço na fronteira

A terceira paragem é para pagar o Parque Nacional Eduardo Avaroa. Preenche-se um impresso e pagam-se 150 BOB (19€). Também é aqui que se pode ir ao quarto de banho – 3 BOB (0,38€). A partir da fronteira muitas das casas de banho vão ser péssimas e nunca vão ter papel.

Este dia é um dia duro de adaptação à altitude porque se abandona a cidade de San Pedro a 2300m e atinge-se os 5000m. Passámos todos mais ou menos bem com a altitude, a Raquel teve dores de cabeça, mas resolveu com paracetamol. Só a Jin passou mal, mas mais ao final do dia.

A partir daqui começa o tour propriamente dito, com toda a logística já resolvida. A primeira atração do dia é a laguna blanca, grande, de cor branca e gelada em algumas zonas. A agua é tão branca que a lagoa funciona como um espelho das montanhas ao seu redor. Uma ótima forma de começar o tour!
A seguir visita-se laguna verde, que é desta cor pela quantidade de sais de arsénico, chumbo, magnésio e carbonato de cálcio. A lagoa é tóxica, não tendo nenhum tipo de vida na água. Fica verde esmeralda quando o vento agita os sais, dando um belo postal com o vulcão Licancabur por trás. As duas lagoas são completamente diferentes uma da outra, mesmo estando lado a lado.

DSC_7107
Laguna Blanca

DSC_7113

Antes do almoço ainda parámos no deserto Salvador Dali, ou Pampa Jara, a 4750 metros de altitude. Este deserto é um conjunto de rochas vulcânicas no meio da planície, com as montanhas coloridas de fundo. O Salvador Dali nunca conheceu este deserto, mas o nome vem pela similaridade com as suas obras. Vêem-se montanhas multicoloridas, aquilo a que chamam montanhas de cores ou arco-íris, porque parece que foram pintadas com vários lápis de cor, que vão do vermelho ao cinzento, passando pelo laranja e amarelo.

DSC_7137

DSC_7152
Pampa Jara

Quase de seguida vem a paragem na piscina termal. A piscina não é muito grande, custa apenas 6 BOB (0,76€) e inclui o uso dos balneários. A água está a 38°, o que a torna muito mais agradável que a do tour nos geysers del Tatio, onde estava mais para o tépido, a temperatura exterior também é mais agradável, por estarmos próximos das 12h. O almoço é junto à piscina, num edifício próximo. Chegámos à mesa e já o Eme tinha tratado de tudo, com a mesa posta e bebidas ao dispor. O almoço estava muito saboroso, eram legumes salteados com salchichas e frango, puré de batata e salada. A quantidade de comida das refeições nunca é imensa porque dizem que com a altitude não se deve comer muito, principalmente ao jantar. Como o nosso grupo tinha 3 raparigas e 3 rapazes, isto nunca foi problema.

GOPR7391

Sem qualquer pressa, após o almoço seguimos para o Sol da Manhã, um campo geotermal de 10km². Lemos na internet que isto não são geysers, apesar de toda a gente os denominar assim, mas sim um campo de águas sulfurosas. Visualmente é semelhante, porque se vê o fumo que vem do solo até ao céu, mas quando se olha para os orifícios vê-se que estão preenchidos com barro cinzento a ferver. É um campo bonito porque os minerais dão diferentes colorações ao solo. Deverão ter algum cuidado e respeitar os limites.

DSC_7211

A partir daqui começamos a descer, com uma paragem na Laguna Colorada, onde vemos os flamingos. À primeira vista o cérebro faz-nos uma partida e a primeira coisa que vem à cabeça é uma poça gigante de sangue. A lagoa é avermelhada devido a quantidade de algas e sedimentos avermelhados, e é pouco profunda. Nesta lagoa, como se vê pelos flamingos que usam esta zona para fazer ninhos, já há vida nas águas. Os flamingos estão em grupos grandes e quando voam deixam uma bela mancha cor de rosa no céu. Nesta zona há também bórax, um mineral alcalino com diversas finalidades, passando-se por áreas onde o estão a extrair.

DSC_7232
Laguna Colorada

DSC_7275

Este dia termina em Villa Mar, uma pequena aldeola, numa pensão. Há o cuidado do guia em nos arranjar um quarto matrimonial, enquanto os restantes 4 ficaram num dormitório. A pensão é simples, mas limpa, e dão-nos um lanche antes do jantar. É nos dado chá e chocolate quente com bolachas enquanto conversamos para nos conhecer melhor. O jantar é sopa de legumes e esparguete com molho de tomate. As casas de banho são fora do edifício, o que de noite, com o frio, torna as idas desagradáveis. O banho é pago porque têm esquentador. Já não nos recordamos do preço, mas é em torno de 10 BOB (1,25€). Apesar do quarto ser frio, a cama estava bem equipada e não passámos frio.

A aventura continua aqui

Reserve aqui a sua estadia em Uyuni após o tour.

365 dias no mundo estiveram 3 dias em tour no Salar de Uyuni, de 22 a 24 de Abril de 2017
Classificação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
Preços: económico
Categorias: maravilha do mundo, paisagem, natureza, aventura, deserto, montanha, vida selvagem, salar

Este post pode conter links afiliados

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

2 thoughts on “DIA 1 – SALAR DE UYUNI – UM MUNDO A 5000m DE ALTITUDE (BOLÍVIA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: