ENTRAR E SAIR DOS EUA

Deve ser dos países com mais histórias nas fronteiras, principalmente desde o travel ban instituído pelo atual presidente. Entrámos duas vezes nos EUA com o ESTA, em janeiro e julho de 2017. Da primeira vez fomos pela KLM para Nova Iorque, com escala em Amesterdão, e a autorização de entrada no país e as perguntas tipo (dias de permanência, morada de permanência, objectivo da viagem) foram feitas em Amesterdão pela KLM. Tudo demorou imenso tempo, porque são feitas a TODA  a gente, e talvez por isso as malas tenham chegado num voo posterior. A saída de Manágua para Miami foi fácil, sem grandes questões. Há sempre a nota nos bilhetes que em partidas para os EUA convém chegar mais cedo ao aeroporto e confirma-se essa necessidade, dêem margem para depois não haver correrias.

Ao chegar aos aeroportos dos Estados Unidos, a zona da migração é gigante e à nossa volta há gente de todas as nacionalidades. Preenchemos uns formulários que já nos deram no avião, um por família, mas depois o funcionário espera receber um individual. Nota: não custa preencher um para cada pessoa. Em Miami existem umas máquinas para que o processo seja facilitado. Toda a gente passa nas máquinas, mesmo os nacionais, pelo menos foi o que nos pareceu. Deixamos a máquina ler o passaporte e é impressa uma folha (tipo talão de embarque) com os nossos dados e fotografia. Seguimos para as filas respetivas. Há funcionários em todo o lado para ajudar e indicar o nosso percurso, evitam confusões e alertam quem não se porta devidamente. Na fila olhamos à nossa volta e reparamos que um de nós tem um X no documento. Será bom ou mau? Vemos pessoas sem cruz e pessoas com cruz, continuamos sem saber o que quer dizer. Vemos outras famílias que reparam no mesmo e vão cochichando também o que nos passa pela cabeça: “será que um de nós vai ser proibido de entrar?” Continuamos sem saber o que quer dizer ter ou não o X no talão, mas sabemos que entrámos os dois (ufa!!). Chegámos ao funcionário, que nos pergunta os nossos planos, explicamos que vamos regressar a Lisboa, mas que ficamos alguns dias em Miami, ele confirma os dados, tira-nos uma fotografia, lê as impressões digitais e carimba o passaporte. Confirma a nossa resposta novamente, perguntando porque dizemos que o destino é Lisboa se ainda ficamos em Miami. Fomos os dois ao mesmo tempo para o balcão.

Há bastantes cartazes que relembram as regras, funcionários que nos fazem sentir intimidados, mas todo o processo é eficiente e todos são muito educados. Percebemos que quase todos falam espanhol. Não é permitido fotografar ou filmar, mas isso é norma em todos serviços de migração.

Para sair é sempre fácil, basta garantir que temos os documentos válidos e que não excedemos a estadia permitida pelo ESTA (90 dias). Não carimbam a saída, da primeira vez em Nova Iorque ficámos aflitos e fomos perguntar se era mesmo assim, e foi a funcionária da porta de embarque que confirmou que estava tudo bem. Garantindo que temos autorização para chegar ao destino, tudo é pacífico. Estamos a falar como residentes do Espaço Schengen que regressam a casa. Não sabemos se noutras condições há outros procedimentos.

 

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: