O MELHOR JARDIM BOTÂNICO É NOSSO E FICA NUM PALÁCIO (QUELUZ)

É nosso o prémio de conservação da Europa Nostra 2018. O vencedor é o jardim botânico do Palácio de Queluz. De 1769 a 1780 foi construído e preenchido com espécies de todo o mundo. Em 1940, depois do incêndio que destruiu grande parte do edifício, foi transformado em roseiral. Já em 1983, foi destruído durante as cheias do rio Jamor e passou a servir de picadeiro. Em 2017 foi totalmente reconstruído à época, trazendo espécies de todo o mundo. As estufas brancas guardam os ananases e os canteiros exteriores têm desde maracujás a couve roxa.

É possível entrar nas estufas e ver um filme sobre a história do jardim e da sua recuperação. Apesar de ser muito próximo da estrada, consegue-se passear num ambiente de calma e introspeção, sendo um bom espaço para ler um livro.

O Palácio Nacional de Queluz, para além do próprio jardim botânico e dos seus sumptuosos jardins exteriores, tem muito que dizer e ver no próprio edifício. Começou por ser uma casa de campo particular, depois passou para a mão de D. Pedro II, ainda infante, e como Casa do Infantado é transformado em palácio.

Já falámos nisto quando contámos a história de Mafra, aqui tudo é semelhante. A corte vive animada de festa em festa, acontecimento em acontecimento, vindo a Queluz comemorar os santos populares e o aniversário de D. Pedro III. Após o incêndio da residência oficial na Ajuda, em 1794, a família real muda-se para o palácio. Em 1807 muda-se para o Brasil levando grande parte dos móveis e obras. D. João VI regressa em 1821 com  dona Carlota. Ela fica a viver no palácio após ser apanhada a planear um movimento de rebelião. Em 1834, morre D. Pedro IV, no quarto onde nasceu, em 1798, e também nesse ano há um grande incêndio. Em 1908 D. Manuel II cede o Palácio à Fazenda Nacional.

O percurso dentro do palácio permite passar por vários anos de história. As cores do palácio são os pastéis e dourado, ao bom estilo barroco. A sala do trono é a primeira sala da visita. Construída após o casamento de D. Pedro III com Dª Maria I, é uma sala ampla, uma das mais exuberantes do palácio, muito rococó. Esta sala serviu para receções, de câmara-ardente, corpo de igreja, e serve atualmente como sala de banquetes e concertos.

A sala seguinte é a sala da música, uma das mais antigas. Foi sala de óperas e de apresentações musicais.

A capela tinha o órgão em obras na nossa visita, estando parte do acesso vedado. Permitia à família real assistir à missa sem ser vista.

Na sala de porcelanas vêem-se as evoluções das porcelanas europeias, em contraste com as chinesas. Há peças que foram usadas no palácio.

No corredor dos azulejos que representam as 4 estações do ano está um coche, semelhante aos que se encontram no Museu dos Coches em Belém.

Continua-se sala a sala até chegar à Sala dos Embaixadores. Uma sala ampla, com duas zonas de trono, uma para os reis de Portugal e outra para os príncipes do Brasil. Deve o nome às audiências ao corpo diplomático e ministros estrangeiros.

O quarto D. Quixote, assim intitulado pelas cenas representadas na parede, é o quarto do Pavilhão de Robillion mais conhecido. Destruíram-se as pinturas alusivas à obra de Cervantes no incêndio de 1934, tendo sido reconstruídas em 1940. É aqui que se conta grande parte da história do Libertador, ou D. Pedro IV.

Deste pavilhão acede-se à escadaria dos leões para o exterior.

Jardins:

Junto à Escadaria de Robillion vê-se o Canal dos Azulejos, que permitia passear de barco enquanto se tocava na Casa da Música.

Do outro lado da ribeira do Jamor temos o jardim com o lago das Medalhas e o de Neptuno, que dão acesso ao picadeiro.

Do lado do IC19 (estranha proximidade do palácio a este movimentado eixo viário) temos os restantes jardins, como o Botânico e a Grande Cascata. Em frente à Grande Cascata encontram-se os jardins superiores (de Pênsil e de Malta) que ficam junto à Fachada de Cerimónias e à Sala do Trono.

Preço e Duração:

A entrada no Palácio e jardins custa 10€. Entrar só no jardim custa 5€.

Sendo explorado pelo Parques de Sintra – Monte da Lua desde 2012 em bilhete combinado com outras atrações da empresa conseguem-se descontos de 5 a 10%.

Reservem no mínimo 2 horas para a visita. Com calma, facilmente são 3 horas bem passadas.

Como chegar:

A partir do IC19 é só sair em direção a Queluz. Há sinalização e o edifício não engana. Vistoso, grande, e azul. Pode-se chegar de autocarro e de comboio. O site do Parques de Sintra – Monte da Lua explica as diversas formas de chegar.

Recomendamos vivamente a visita para quem tiver alguns dias disponíveis na cidade de Lisboa. Fica apenas a 10km, 15min, do centro da cidade.

365 dias no mundo estiveram no Palácio Nacional de Queluz a 30 de dezembro de 2018

DSC_2133

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: