ARQUITETURA DINAMARQUESA

Se nos lêem regularmente sabem que ligamos a arquitetura, o Tiago mais numa perspectiva profissional, e a Raquel só pela estética. Copenhaga é uma ótima cidade para procurar edifícios “diferentes” e ficar maravilhado. Tínhamos alguns já referenciados a partir do instagram e outros descobrimos passeando por lá.

DSC_3313

Estávamos alojados em Christianshavn, pertinho da estação de metro, e logo aí temos a ponte inaugurada em 2015, a Cirkelbroen. A ponte é pedestre e abre para que os barcos atravessem o canal. Faz-nos lembrar um barco, com os seus mastros, pois Olafur Eliasson teve o cuidado de se inspirar no passado de navegação de Copenhaga. Os moradores podem receber a chave que abre a ponte. Quem não gostaria de ter um barco e a chave que abre a “porta” do seu canal à porta de casa?

Do outro lado da margem, em frente à ponte, temos a biblioteca. O Black Diamond é um edifício imponente que, com o reflexo da água do canal na sua superfície, faz mesmo lembrar um diamante. Oferece dois museus e tem um edifício novo, de 1999, ligado ao original.

DSC_3372

O edifício da Ópera deve ser visto. Foi oferecido por uma fundação e inaugurado em 2005. O auditório tem o equivalente a 1,5 kg de ouro.

DSC_3273

E fomos atrás de Tietgenkollegiet, um alojamento de estudantes que nos maravilhou. É um edifício circular com pequenos apartamentos individuais, ginásio, salas de estudo, cozinhas e um jardim interior. O edifício é tão atrativo que, por momentos, morremos de inveja dos estudantes dinamarqueses. Nesta zona não é o único edifício “fora” que vimos, portanto é um passeio bastante agradável.

DSC_3439

DSC_3458

DSC_3441

A central elétrica, ARC I/S Amagervaerket, de 0 emissões de CO2. Esta central é a que tem uma pista de ski por cima que abriu este mês (abril de 2019), tal como os jardins Tivoli. Supostamente a grande chaminé solta fumo em forma de anéis, não vimos, só fumo normal, mas foi um fim de semana ventoso. Este é um dos grandes passos da cidade para ser uma capital neutra nas emissões de carbono.

Junto aos jardins Tivoli, já do outro lado da cidade temos o centro de conferências Axelborg Konferencesal. É por dentro que nos despertou a atenção, mas estava fechado, abre durante a semana e para eventos. No piso de baixo do mesmo edifício temos o Copenhagen Visitor Service, onde terão todas as atrações expostas numa parede. Deve ser do apoio aos visitantes mais completo que já vimos.

No mesmo quarteirão têm a Axel Tower, um carismático edifício de 2017. As torres redondas que constituem o edifício fazem um efeito muito engraçado vistas de baixo.

DSC_3473

C:DCIM107GOPROGOPR1762.GPR

A torre redonda também nos atrai pela forma como se sobe, em rampa.

C:DCIM107GOPROGOPR1745.GPR

A igreja de Mármore é bastante bonita, toda em mármore. O acesso é grátis.

DSC_3331

O edifício da UNICEF que se vê do outro lado, quando visitam a estátua da pequena sereia geneticamente modificada, é também um edifício que merece ser referido.

DSC_3311

Há muitos outros exemplos, mas em dois dias não se consegue visitar tudo o que se quer.

365 dias no mundo estiveram em Copenhaga de 9 a 10 de março de 2019

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: