A ENIGMÁTICA QUINTA DA REGALEIRA (PORTUGAL)

Quem gosta de histórias de príncipes e princesas, de palacetes e paços reais, tem de ir a Sintra. Ali encontra a perfeita viagem no tempo que nos transporta até à corte e à família real. A cidade é toda especial, palácios não faltam, todos ao gosto de quem os mandou construir e da exuberância que a sua fortuna permitia.

DSC_2926

Um dos palácios mais concorridos e especiais  da cidade é a Quinta da Regaleira. Fica no percurso entre o Paço Real e o Palácio e Campo de Seteais, e é plena de misticismo e simbologia. Fala-se muito da maçonaria na forma como a quinta foi projetada, mas isso só um especialista vos pode dizer.

Palacete da Regaleira

De Quinta da Torre passa a Quinta da Torre da Regaleira, após a Baronesa com o mesmo título a comprar em 1840 e construir a capela, o palacete, e idealizar o jardim.

DSC_3043

Monteiro dos Milhões (ou Dr. António Augusto Carvalho Monteiro) adquiriu o espaço da Baronesa e ampliou-o, com projeto inicialmente de Lusseau, não concretizado, e depois de Manini. O palacete e a capela foram alterados (e vistosamente ornamentados) entre 1904 e 1911, nos últimos anos da monarquia, por Luigi Manini, no estilo neo-manuelino e renascentista. Nesta obra, Manini usou os escultores que trabalharam consigo no Palace Hotel do Buçaco, construído para os últimos reis de Portugal. Manini era arquiteto e cenógrafo do Teatro Nacional São Carlos. Quem conhece o Buçaco (ou Bussaco) vai reconhecer a assinatura do arquitecto.

Manini foi também o escolhido para projectar o jazigo da família no Cemitério dos Prazeres.

365DNM_cemiterio_prazeres_1
Jazigo da família Carvalho Monteiro no Cemitério dos Prazeres

Em 1946 o espaço passa para as mãos de Waldemar Jara d’Orey, que o altera ao seu gosto pessoal. Em 1987 muda novamente de mãos, para a Aoki Japonesa e, em 1997, a Câmara de Sintra comprou o edifício e reabilitou todo o espaço, abrindo-o ao público em junho de 1998. Desde essa altura, acabou por se tornar um must do em Sintra. O espaço tem o jardim cheio de elementos, como grutas, fontes, torres, miradouros e caminhos secretos,  além do próprio palácio e da capela. Há ainda outros edifícios na quinta, como a fundação e as cocheiras.

DSC_3041

DSC_3038

O palácio tem 6 pisos:

  • -2 e -1 – cozinha, despensa, copa, camaratas, engomadoria e refeitório;
  • 0 – é talvez o mais vistoso, o piso nobre. Tem influência manuelina, gótica e renascentista. As portas são qualquer coisa de fantástico. Deve-se admirar a lareira da sala de caça e o alpendre com ornamentação em calcário, semelhante ao Buçaco;

DSC_3028

  • 1 – piso reservado à família, mais intimista, onde ficavam os quartos;
  • 2 – a sala octagonal lembra a charola do Convento de Cristo em Tomar. Contém um escritório e arrumos;
  • 3 – tem um terraço panorâmico e a torre neomedieval, escritório do proprietário. A torrinha tem uma esfera armilar e um catavento.

DSC_3030

Capela da Santíssima Trindade

A capela foi projetada por Luigi Manini no estilo neomanuelino, no final do século XIX. Numa época complicada politicamente para Portugal, ainda a viver sobre a memória dos grandes feitos dos descobrimentos (como ainda hoje), tentando regressar a esse tempo. Do ponto de vista arquitetónico, nesta altura, o regresso à época de apogeu era por via do estilo manuelino. Manini, italiano, aprende o estilo, e alia-o aos seus conhecimentos de cenógrafo, criando o que se vê na Regaleira.

Destacam-se as cenas de Anunciação e da Coroação de Maria, o tema central. A esfera armilar e a Cruz da Ordem de Cristo estão representados no chão. A cripta tem um acesso subterrâneo de ligação ao Palácio.

DSC_3024

Jardim da Quinta da Regaleira

O jardim é uma mistura de caminhos “secretos” e espaços a desvendar. Sem, de todo, dominar a área, sabemos que simboliza um caminho de iniciação, que representa o cosmos, e que possui um dantesco mundo subterrâneo. Devem circular com o mapa que vos dão na bilheteira para saberem onde andam e conseguirem encontrar o percurso subterrâneo:

  • A estufa, que era uma paixão de Carvalho Monteiro;
  • A gruta da Leda;
  • A torre da Regaleira e o seu miradouro;
  • A fonte da Regaleira (estava em obras);
  • A Cisterna e o Lago da Cascata;

DSC_2991

DSC_2968

  • O percurso subterrâneo que envolve a Gruta do Oriente, o Poço Iniciático, o Lago da Cascata e o Portal dos Guardiões;

DSC_3022

Um dos espaços mais concorridos e mais difícil de fotografar sem muita gente a servirem de figurantes é o Poço Iniciático, uma torre invertida de 27 metros. Se quiserem estar sozinhos recomendamos que vão cedo, durante a semana, e comecem a visita por aqui.

DSC_3000   DSC_3013

DSC_2986

Preço:

O bilhete livre (com mapa) custa 8€ para adulto, existindo preços especiais de 5€ para maiores de 65 e menores de 17 anos. Até aos 5 anos e acima dos 80 anos o bilhete é gratuito.

As visitas guiadas são de terça a sábado, às 10h e às 14h, e custam 12€/adulto (preços variam dos 6 aos 12€). Para quem gostaria de aprender mais sobre o simbolismo, talvez a visita guiada seja uma boa solução.

 

365 dias no mundo estiveram na Regaleira em 4 de março de 2019

Este artigo pode conter links afiliados.

 

5.png

 

Spread the love

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

2 thoughts on “A ENIGMÁTICA QUINTA DA REGALEIRA (PORTUGAL)

    1. Mesmo! É um espaço muito bem conseguido, que primeiro faz muito lembrar o Bussaco do mesmo arquitecto, e depois tem aqueles trilhos secretos que lhe dão magia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: