INTO THE GLACIER (ISLÂNDIA)

Spread the love

O primeiro tour que marcámos na Islândia foi o Into The Glacier. É organizado por uma empresa privada que detém um túnel no interior do glaciar Langjokull, “o glaciar longo”, traduzindo à letra, e o segundo maior da Islândia, com 195km², aproximadamente a área do concelho de Lisboa, para terem uma referência.

O túnel fica nas chamadas “terras altas”, a zona da Islândia onde ninguém quer morar, outrora o desterro dos homens a castigar. O seu castigo de 8 anos nas “highlands” pretendia ser um bilhete sem regresso, mas alguns descobriram zonas onde o chão era aquecido pela lava, alimentavam-se de ovelhas que roubavam, e sobreviveram às suas penas. A martelada retratada no novo filme da Marvel aconteceu na floresta de Thor (Þórsmörk), ou seja, nesta região. É também este glaciar que fornece água para a famosa região do golden circle, o círculo dourado.

DSC_6584

O túnel demorou quatro anos a planear. Uma equipa multidisciplinar composta por designers, engenheiros, técnicos de iluminação, especialistas em glaciares, geógrafos, arquitetos e artistas, planeou o projecto para ser executado por agricultores islandeses. Estes homens escavaram o túnel em catorze meses, de março de 2014 a maio de 2015. A equipa tinha entre 4 a 8 homens e trabalhava todos os dias, com o plano de formar um percurso com o formato de um círculo perfeito, mas que acabou com a forma de coração. “Os agricultores islandeses são fortes, mas de coração mole e cheios de romantismo”, diz-nos a guia, depois de explicar que o clima é tão ríspido que a neve tem de ser diariamente retirada da entrada. O vento teima em fazer desaparecer aquilo que o homem construiu.

Nesta secção do glaciar o gelo tem entre 30 e 35 anos de idade. São 500 metros de extensão de túnel e é algo, para já, único no mundo, possibilitando a experiência de ficar entalado entre uma camada de 25 metros de gelo acima das nossas cabeças e uma de 200 metros por baixo dos nossos pés. A maior vantagem deste túnel feito pelo homem é que fica fora dos extremos do glaciar, onde o gelo é mais instável.

Tirando partido das zonas com boa acústica, tem capelas e salas para eventos. Oferece também uma sala que pode servir de bar. Não sabemos o preço para eventos, mas inclui o guia durante 60 minutos e o transporte até ao glaciar, claro está, porque não se consegue chegar lá autonomamente.

DSC_6556

DSC_6585

A nossa experiência:

Chegámos cedo ao ponto de encontro em Húsafell e aproveitámos para vaguear pelas redondezas. Encontrámos um cão que caminhava pelo meio da neve, vimos os lagos gelados e ainda ponderámos voar o drone, mas acabámos por achar demasiado ventoso. O local fica numa instância turística onde se encontra o Hótel Húsafell, que nos pareceu bastante simpático.

Ficámos a fazer fila para entrar no camião em primeiro lugar para conseguir os lugares da frente, o que se revelou uma boa aposta (melhor vista e maior contacto com o guia). O transporte é um veículo militar alemão adaptado, uma espécie de trator com uma caixa atrás para os passageiros. É aquecido e consegue avançar na neve graças ao seu sistema de ajuste da pressão dos pneus.

DSC_6525

Um dos guias entra connosco e vai contando curiosidades sobre o seu país e a região. Conta-nos que têm 13 personagens de natal, todos maléficos, nada de Pai Natal bonzinho que dá prendas. Percebemos aqui que os islandeses têm um sentido de humor peculiar, meio para o cáustico. Vamos-nos aproximando do glaciar e começa o nevão. O camião avança, sentimos que está a alterar a pressão dos pneus para conseguir ter aderência na neve. Paramos para idas ao WC na base, que nesta época do ano está cheia de neve. Vemos mais um edifício e a partir daí… nada, branco. Diz-nos o guia que quando o céu está limpo a visibilidade é boa e conseguimos ver a imensidão que o glaciar é.

DSC_6539

Chegamos ao local e é preciso retirar a neve que obstruiu a entrada. É normal não se ver a entrada. A equipa sabe o caminho para lá chegar por GPS, porque pode ser perigoso vaguear sem destino no gelo. Contam-nos que no verão é comum ver turistas a avançar pelo glaciar, o que não se deve fazer, porque o glaciar tem fendas. Com sentido de humor diz-nos que se caírem aparecem após umas centenas de anos na base do glaciar. O motorista vai cavando e nós esperamos no veículo. O primeiro grupo entra e somos avisados que a neve escorrega, que temos de entrar devagar e pisar os tapetes, onde é menos escorregadio. Sempre que a guia sai e regressa vem coberta de neve.

Entramos e a próxima etapa é a colocação dos crampons de trail. São umas capas de metal para as botas que evitam que escorreguemos na neve. Não têm posição especial, mas existe o pé direito e esquerdo. Parece uma tarefa simples, mas muita gente não entende como se encaixam. Mais tarde vemos à venda e este modelo custa perto de 40€, mas há mais baratos.

DSC_6549

Vamos avançando pelo túnel, recebendo explicações, parando para fotografias e lendo os cartazes que estão expostos. Os agasalhos estão a dar muito jeito, mas é fácil perceber que há gente no grupo que não percebeu que uma gruta no meio do gelo é fria.

DSC_6572

DSC_6583

Seguimos em grupo, não muito depressa. Passamos pelas capelas onde já se fizeram casamentos (a nova e a antiga). Vemos as marcas no gelo de cinzas das erupções e entre gelo de diferentes idades. Há fendas naturais que se tornam perigosas e onde a água acumula. O túnel precisa de manutenção regular porque a pressão das camadas superiores leva a que naturalmente haja tendência para o túnel se fechar.

DSC_6557

O tour acaba e entramos no camião, mas este não arranca. O motorista diz-nos que na tentativa de nos manter quentes enquanto escavava a entrada manteve o camião ligado demasiado tempo com o aquecimento e, enquanto estivemos dentro do glaciar, o óleo congelou, e agora não “pega”. É preciso enviar outra viatura para nos ajudar. A guia ensina-nos islandês e dá dicas para nos entreter e evitar que a malta se agite. Foi neste tempo que recebemos dicas preciosas que vamos seguir no resto da viagem. O nevão é tão forte que o camião chega, estaciona à nossa frente, e é “invisível”. A expressão “não ver um palmo à frente dos olhos” nunca fez tanto sentido.

DSC_6540

Acabámos por ser “socorridos” e regressámos sãos e salvos a tempo de comer um biscoito e beber um café quente. E porque a vida é curiosa, conhecemos um norte-americano que falava português. Está a aprender no seu país, com professoras brasileiras, porque acha que é mais fácil aprender bem português, e só depois espanhol, do que o contrário. Também encontramos dois portugueses. O tour todo tem entre 3 e 4 horas, varia conforme as condições climatéricas.

DSC_6577

Ponto de encontro: 

Pode ser no centro de Húsafell (no inverno parte sempre daqui) ou na Base do Campo Klaki. Em Húsafell encontram o escritório.

Preço: 

Marcámos pela artic adventure que nos deu 10% de desconto. O preço normal é de 19.500 ISK. O bilhete dá desconto de 10% na entrada no Perlan em Reykjavik.

Há outros tours, como:

  • túnel + snowmobile – 29.900 ISK
  • túnel + snowmobile + Hraunfossar, partida de Reykjavik – 39.900 ISK

365 dias no mundo estiveram na Islândia de 23 de outubro a 7 de novembro de 2019

into the glaciar iceland (3)

Este artigo pode conter links afiliados

 

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

2 thoughts on “INTO THE GLACIER (ISLÂNDIA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: