VER BALEIAS (ISLÂNDIA)

Spread the love

Quem, como nós, adoraria ver baleias de perto? Já vimos, ao longe, nas Galápagos, mas não estávamos satisfeitos, queríamos mais. Consoante a época, há um maior ou menor número de espécies ao largo da Islândia, mas as baleias de bossa são vistas quase garantidamente. As baleias de bossa ficam todo o ano nas águas que envolvem a Islândia e podem ser vistas em tours a partir de três cidades principais: Dalvik, Husavik e Reykjavik.

Ficávamos satisfeitos com um tour em que víssemos várias baleias, mas optamos por deixar livre no calendário, além da manhã com o tour reservado a partir de Dalvik, também a manhã seguinte, para o caso de não termos sorte na primeira.

Reservámos os nossos três tours com a artic adventures, o que nos deu 10% de desconto. No entanto, por lapso do funcionário, acabamos por fazer a reserva com partida de Reykjavik, o que só percebemos na véspera. Os funcionários foram cinco estrelas e corrigiram logo a questão, mas já não conseguimos ir no RIB. O RIB é um barco a motor mais rápido e mais pequeno, conseguindo chegar mais perto dos cetáceos. Nós fizemos o tour normal, que inclui também pesca em alto mar (o RIB não).

DSC_7198

Quando chegam ao escritório é-vos dado um fato que vestem por cima da vossa roupa. Agasalhem-se bem que depois de saírem do porto o tempo arrefece.

DSC_7206

O barco está ancorado no porto e é um barco de pesca tradicional. No RIB, o colete é logo vestido, já no barco de pesca, podem ir sem colete. O tour inicia-se com uma explicação sobre as baleias que rondam a Islândia e a sua “personalidade”.

DSC_7194

Começam por ver apenas o esguichar de água causado pela respiração dos cetáceos, bem ao longe, mas, depois, o barco aproxima-se e conseguem ver perfeitamente o corpo completo das baleias. Quando elas apontarem a cauda para cima preparem-se, é porque vão desaparecer. Aguentam vários minutos debaixo de água, o tempo suficiente para as perdermos de vista. Vimos cerca de 15, nem todas perto. Os tours seguem regras rígidas quando à aproximação aos animais e distância mínima a que um barco pode ficar.

DSC_7219

Quando o barco começa a regressar é oferecido um chocolate quente e biscoitos. Podemos repetir as vezes que quisermos até acabar o stock.

E começa a pesca! Uma cana a cada um, uma breve explicação da técnica, e meia hora para experimentar. Se não pescarmos um único bacalhau temos direito a castigo. “Não há grelhado no fim”, avisa-nos a guia. Conseguimos pescar três, e a Raquel foi responsável por um deles. A guia, islandesa, prepara os peixes em filetes, ainda no barco, e explica-nos que o bacalhau é o seu peixe mais comum. Nos barcos industriais tudo se aproveita. Para os espanhóis e portugueses, inicia-se logo o processo de seca. Para a Nigéria vão as partes que sobram, para uma iguaria local. Os islandeses consomem uma percentagem mínima do seu peixe, todo o resto é exportado.

DSC_7251

DSC_7267

O barco chega ao porto e seguimos para o escritório. Tiramos e devolvemos as roupas e somos chamados para testar a iguaria que pescámos. Para muitos portugueses, o bacalhau fresco não sabe a bacalhau, mas a Raquel prefere assim. Estava muito saboroso, até ficámos para o fim para “limpar a grelha” e comermos o suficiente para ficarmos já almoçados. Quando se quer poupar perde-se a vergonha! Por azar, tínhamos um casal de asiáticos que, apesar de estarem num tour de autocarro e terem o resto do seu grupo no restaurante, optaram por continuar a comer o bacalhau.

DSC_7280

DSC_7281

Os tours por cidade:

Reykjavik: dura 3h e inclui a entrada no Whale Watching Center, Wifi e um lanche. Custa 81€. De RIB custa 146€ e dura 2h.

Dalvik: dura 3h, inclui pesca, grelhados e lanche. Custa 73€. Em RIB custa 110€.

Nestas cidades acima pode-se combinar com papagaios do mar (puffins), na época deles.

Húsavík: esta cidade é um dos pontos fortes para ver baleias. Os tours duram 3h e dão lanche.  Custa 78€. É possível fazer um tour, pelo mesmo preço, neutro em carbono, pela North Sailing. Andvari, o barco, é silencioso e amigo do ambiente (fica a dica).

Olafsvik: na península de Snaefellsnes encontram-se orcas, cachalotes, baleias de bossa, aves e focas. Dura 2 a 3,5h e custa 73€. 

Entre preparativos, chegadas e partidas, acaba por durar toda a manhã. Têm uma taxa de sucesso acima dos 95% mas, se por acaso não virem as baleias, podem repetir o passeio. Nem todos os tours que referimos acima funcionam todo o ano, o ideal é irem de abril a outubro, para encontrarem a maioria dos tours em funcionamento.

DSC_7275

Vale a pena?

Perguntámos à guia se os RIB eram melhores. Ela diz que depende, é mais frio, mas chega mais perto da baleia, se for possível, o que nem sempre acontece porque são animais, logo não ficam à espera que o barco chegue perto. Acha o nosso tour mais completo.

365 dias no mundo estiveram na Islândia de 23 de outubro a 7 de novembro de 2019

Este artigo pode conter links afiliados

Islândia (1).png

Raquel

Gosto de viajar depressa ou devagar. Gosto de conhecer pessoas, de ouvir as suas histórias, de experimentar as comidas dos países que visito. Falo pelos cotovelos e tenho uma lista de sítios a conhecer que todos os anos duplica de tamanho. Não gosto de desporto, mas de vez em quando perco a cabeça e experimento algum novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: