AS 6 PONTES DO PORTO (PORTUGAL)

Um dos passeios mais famosos do Porto é o Cruzeiro 6 Pontes, fácil de perceber que tem este nome porque cruza as seis pontes que a cidade do Porto tem a uni-la à outra margem do rio, Vila Nova de Gaia.

A forte ligação entre as duas cidades levou a que em 1369 se começasse a construir pontes a unir as duas margens do rio Douro nos seus últimos metros antes de chegar ao mar. Porquê tantas? Com o aumento do fluxo foi necessário ir acrescentando pontes, pura lei da oferta e da procura. Nem todas as seis que existem atualmente estão em funcionamento, outras já foram demolidas, mas as que enfeitam o rio dão-lhe características únicas no mundo. É de referir que estão planeadas mais duas, existindo já concursos a decorrer.

Pontes desaparecidas:

Ponte das Barcas: antes das pontes atravessava-se para a outra margem de barca ou jangada, até que em 1369 se uniram as barcas com correntes de ferro e se criou um passadiço. Este método era pouco eficaz porque se os níveis das águas subissem a ponte era destruída. Em 1806 criou-se uma ponte mais eficaz com 33 barcaças e duas aberturas, para os barcos poderem subir e descer o rio. Destruiu-se em 1829, quando a abertura do seu alçapão central fez com que a ponte desaparecesse. No entanto, funcionou até que a Ponte Pênsil fosse inaugurada.

Ponte Pênsil (ou Ponte D. Maria II): é obra dos engenheiros Bigot e Mellet. Inaugurada em 1842, foi demolida 45 anos depois (manteve-se aberta até à abertura da Ponte D. Luis), tendo-se mantido os pilares para memória.

Pontes do Porto

Pontes atuais:

Tal como dissemos acima, temos hoje seis pontes sobre o Douro na região do Porto: Ponte da Arrábida, Ponte D. Luís,  Ponte Infante D. Henrique, Ponte de D. Maria Pia, Ponte São João e a Ponte do Freixo.

Ponte Maria Pia: Com um tabuleiro de 353 metros de extensão, foi construída entre 1876 e 1877 pela empresa de Gustave Eiffel e Seyrig, tendo sido a primeira ponte ferroviária a unir as duas margens do Douro e na altura detentora do recorde de maior arco em ferro do mundo. Só tem uma linha, o que obrigava a uma circulação a baixa velocidade e impossibilidade de cruzamento de veículos. Está desativada desde 1991, mantendo-se até hoje sem qualquer utilização, apesar das muitas ideias para a sua conversão, desde pista de cicloturismo a rampa para saltos de bungee jumping.

Pontes do Porto

Curiosidade: sabiam que Gustave Eiffel teve um escritório na Associação Comercial do Porto (Palácio da Bolsa)?

Ponte D. Luis (ou Luiz I): é A ponte das pontes do Porto e uma das mais famosas em Portugal. É em estrutura metálica, tem dois tabuleiros (superior e inferior), construída entre 1881 e 1888 e foi projeto de Teófilo Seyrig, um dos discípulos e ex-sócio de Gustave Eiffel. O arco de ferro desta ponte é considerado ainda hoje o maior arco do mundo em ferro forjado. Tem 395 metros de extensão.

Pontes do Porto

Ponte da Arrábida: Foi inaugurada em 1963, tendo sido projetada por Edgar Cardoso. Já foi o maior arco em betão armado do mundo, com um vão de 270m, atingindo 70m acima do nível médio das águas. É a principal ligação rodoviária entre a cidade do Porto e a margem sul do Douro. É possível subir os arcos da ponte, e nós já o fizemos. O Tiago tem um carinho especial por esta ponte, já que foi objeto da tese de mestrado que valeu um Prémio Secil. Caso tenham curiosidade podem ler o projeto da Adaptação da Ponte da Arrábida ao Metro Ligeiro.

Pontes sobre o Douro
Ponte sobre o Douro

Ponte S. João: Tal como a da Arrábida, é projetada por Edgar Cardoso. A sua construção iniciou-se em 1984 e foi inaugurada em 1991. É um pórtico múltiplo contínuo, de pilares verticais, com três vãos, com um total de 1140m de comprimento. A linha ferroviária do norte circula por aqui desde o fecho da Ponte Maria Pia.

Pontes do Porto

Ponte do Freixo: O trânsito infernal dos anos 80 tornou óbvia a necessidade de mais uma ponte rodoviária no Douro. É projeto do Professor António Reis e inaugurou-se em 1995. Na realidade são duas pontes gémeas a uma distância de 10cm uma da outra, totalizando 8 faixas de rodagem. Acaba por servir a periferia da cidade e, em média, atravessam-na 100.000 viaturas por dia.

Ponte Infante D. Henrique: Quando o Metro do Porto “usurpou” o tabuleiro superior da Ponte D. Luis pensou-se numa nova ponte rodoviária para sua subtituição. Liga o Bairro das Fontaínhas à Serra do Pilar, foi inaugurada em 2003 e é uma das mais bonitas (gostos não se discutem). Tem 371 metros de extensão e é projeto dos Engenheiros Adão da Fonseca e Francisco Millanes Mato.

Pontes sobre o Douro

Perguntam vocês, quais os melhores sítios para ver as pontes sobre o Douro? A Ponte Luiz I vê-se da Ribeira e da Marginal de Gaia. A da Arrábida vê-se bem do Palácio de Cristal. A Ponte do Infante vê-se da Serra do Pilar ou do tabuleiro superior da Ponte Luiz I. A do Freixo vê-se das margens do Douro, de onde também vemos a Maria Pia e a São João, tanto da margem direita como da esquerda.

pontes do porto

Claro que num passeio de barco terão vista privilegiada. Os cruzeiros duram cerca de 50/60 minutos e custam 15€. Podem ver aqui.

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: