BILBAU NUM FIM DE SEMANA (ESPANHA)

Dizer que Bilbau em si nos despertava muita curiosidade seria um exagero, mas depois de visitarmos o Guggenheim de Nova Iorque queríamos conhecer também o espanhol. Bilbau é a capital da região basca, vive como se fosse um pequeno enclave dentro de Espanha, e é uma das cidades portuárias mais importantes do norte do país.

Muita gente fala basco (Euskera) e sente-se uma identidade muito própria. Já não é comparável com a região basca dos atentados e problemas políticos, sendo hoje um sítio completamente seguro, mesmo em plena manifestação, como a que apanhámos durante a nossa visita. Bilbau é uma cidade de gente orgulhosa de ali pertencer, de famosa gastronomia, e é uma cidade que combina o Casco Viejo e a cultura tradicional com o Guggenheim e a arte contemporânea.

Apesar de a Raquel não ter bem a certeza de quais fins de semana terá livres, de vez em quando dá-nos um momento de loucura e compramos um voo para o chamado “bate e volta” (expressão brasileira, que define bem o que queremos explicar) na Europa. Sabemos que o resto do ano de 2020 está cheio de incertezas, por isso, esta viagem tem ainda mais importância para nós. Provavelmente, após o final desta pandemia, as viagens de avião de fim de semana não se voltarão a repetir (pelo menos para nós).

O que visitar:

Margem do Casco Viejo:

Teatro Arriaga: dos teatros mais antigos de Espanha. É um bom exemplo do que as inundações de 1983 causaram à cidade. Na escadaria do foyer podem encontrar um busto e um grande espelho, e no friso sobre o lambrim tem a marca onde chegou o nível da água.

Tem visitas guiadas diárias. Nós comprámos os bilhetes à porta, mas podem também comprar online.

El Arenal: um jardim em frente ao teatro. No nosso fim de semana tinha uma exposição de fotografia.

Iglesia de San Nicolás: foi inaugurada em 1756. É uma igreja com forma de cruz e fica na Praça com o mesmo nome.

Ayuntamiento: a Câmara Municipal de Bilbau tem vários edifícios. Um deles fica na margem da ria, junto à ponte com o mesmo nome. Atrás tem um edifício contemporâneo que também faz parte dos serviços municipais. É uma zona menos turística, com restaurantes mais em conta. Entre o edifício da câmara e o jardim El Arenal podem encontrar, ao sábado, o mercado de produtores e, ao domingo, o mercado das flores.

Casco Viejo: para sentir a verdadeira pulsação da cidade consideramos o centro histórico o melhor sítio para ficar hospedado. Fica na margem direita da ria Nervión (à esquerda fica Bilbao la Vieja). Em 1983, as cheias destruíram o centro e morreram 34 pessoas no país basco.

Las Siete Calles: são sete ruas pedonais com um estilo arquitetónico muito próprio. Inicialmente, o Casco Viejo só tinha três ruas e um muro. Quando a cidade cresceu destruiu-se o muro e fizeram-se mais quatro ruas. As ruas são pedonais desde 1979, criando as chamadas sete ruas, uma espécie de centro comercial a céu aberto. Encontram-se muitos negócios locais e poucas cadeias internacionais.

Catedral Santiago Bilbao: faz parte do Caminho de Santiago, sendo este o padroeiro da cidade. Já não é o primeiro edifício naquele local, tendo sido criada antes mesmo da própria cidade. O segundo edifício ardeu e a basílica, tal como existe hoje, é de 1397, com a sua construção durado mais de um século. É de estilo gótico, mas tem também influência barroca e renascentista, e partes agora renovadas em estilo neogótico. Pode ser visitada gratuitamente ou com audio-guia (6€) juntamente com a Iglesia San Antón. Deveria estar aberta das 10h às 20h, mas nunca a encontrámos aberta.

Plaza Nueva (Plaza Barria): foi inaugurada em 1851, após um longo percurso construtivo de 65 anos. É conhecida como Praça Nova, porque a Plaza Vieja era onde fica atualmente o Mercado Ribera. Aqui vimos pais e filhos a jogar à bola e é um bom local para jantar. Ao domingo há mercado.

Museo Euskal: aqui ficam a conhecer a história do País Basco. O preço é de 3€ e fecha à terça-feira. As visitas guiadas pagam-se (30€). Podem ler algumas informações no site.

Museo do Paso: um museu que nos mostra como é vivida a semana santa em Bilbau. Fecha à segunda-feita e custa 2€.

Arkeologi Museoa: o museu arqueológico conta a história da região pelos artefactos encontrados. O museu fecha à segunda-feira e custa 3,5€ (com as visitas guiadas incluídas no preço).

Mercado de La Ribera: fica junto à ria de Bilbau, na zona antiga da cidade. É dos mercados mais completos, com banca de venda de frescos e uma zona de alimentação. Existe desde o século XIV, mas este edifício é de 1929. Em 1990 entrou para o livro do Guiness como o mercado mais completo (10.000m2) e em 2012 sofreu uma profunda renovação. É um projecto original de Pedro Ispizua, arquitecto local que projectou vários edifícios da cidade e que trabalhou com Gaudí na Sagrada Família. Vale a pena conhecer o edifício e é um bom local para uma refeição. Fecha ao domingo e só de terça a sexta-feira é que funciona de manhã e de tarde. Se querem saber onde fica cada banca podem investigar no site oficial.

Iglesia Santo Antón: junto ao mercado, do antigo Ayuntamiento e da Puente Santo Antón, encontram a Igreja com o mesmo nome. Já existiu neste local um armazém e depois uma alcáçova com muralha. A igreja, de estilo gótico, sofreu algumas obras de ampliação e é a mais frequentada da cidade.

Monte Artxanda: é possível subir de teleférico e ver a vista panorâmica sobre a cidade. A forma mais inteligente de comprar o bilhete é com um Barik. Mesmo que não tenham saldo suficiente, pode ser carregado no local e fica muito mais barato. Gastámos 8,60€ para os dois (sem este método). O acesso fica perto de Zubizuri.

Margem de Bilbao La Vieja

Estacion de Abando Indalecio Prieto: é uma estação terminal, que fica em frente ao Teatro Arriaga, na outra margem da ria. Tem um impressionante vitral de Jesús Arrecubieta (1948). Daqui saem linhas de curta e longa distância, como Santander e Madrid.

Azkuna Zentroa: este centro cultural foi instalado onde outrora existiu um depósito de vinho. O espaço tem graça pelas suas 43 colunas, todas diferentes. Visitámos à noite e estávamos à espera de mais animação e restaurantes, mas, ainda assim, acabámos por experimentar um deles. Há uma piscina que pertence ao ginásio e de dentro da praça do centro cultural conseguem olhar para cima e ver os nadadores, como podem ver aqui. O terraço está aberto de junho a setembro.

Plaza Moyua: deverão sair aqui se vierem de autocarro do aeroporto em direção ao Casco Viejo. É uma praça elíptica desenhada por José Luis Salinas, onde tem alguns edifícios interessantes, como o Hotel Carlton.

Iglesia San Jose: uma igreja vistosa. Podem encontrá-la no percurso entre a Plaza Moyua e a Torre Iberdrola.

Puente Zubizuri: É da autoria do arquiteto espanhol Santiago Calatrava. Alguns dos projetos mais emblemáticos deste reconhecido arquiteto são o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, a Ciudad de Las Artes y Las Ciencias, em Valência, a Puente de las Mujeres, em Buenos Aires, e, para os portugueses, a Gare do Oriente, em Lisboa. Deste lado da margem é possível ver uma fachada antiga (Deposito Franco) convertida num gigante ginásio (Club Metropolitan), outra das imagens de marca de Bilbau.

Museo Guggenheim Bilbao: o edifício projectado por Frank O. Gehry trouxe um novo fôlego à cidade. A cidade era monocromática e a zona onde hoje habita o maior ponto do interesse da cidade era um espaço para contentores. Falamos mais detalhadamente sobre o museu aqui.

  • Os bilhetes devem ser comprados com antecedência, aqui. Fecha à segunda-feira e está aberto das 10h às 20h. O bilhete custa 13€ online, 15€ na bilheteira.

Próximo do museu encontram a Biblioteca da Universidade de Deusto e a torre Iberdrola.

Parque de Doña Casilda: aqui encontram o Museu de Belas Artes e o Palácio Euskalduna.

Museo de Bellas Artes: é rico em obras de artistas locais, mas também encontram ali obras de Vieira da Silva. É grátis a partir das 18h. No período normal custa 10€ (20€ quando combinado com o Guggenheim). Ao domingo às 12h, o El Corte Ingles oferece as visitas guiadas.

Palacio Euskalduna: Este edifício alberga o Centro de Congressos e da Música. É a sede da Orquestra Sinfónica de Bilbau e recebe a temporada de Ópera. Foi inaugurado em 1999 e é uma obra de Federico Soriano e Dolores Palacios. Ao sábado, pelas 12h, há visitas guiadas.

Museo Marítimo Ria de Bilbao: Fica junto à ria de Bilbau e funciona dentro de um edifício e nos diques no exterior. Aqui encontram também a Grua Carola, uma grua vermelha. O museu conta a história da cidade e a sua relação com o mar. Fecha à segunda-feira e, à terça-feira, a entrada é grátis. O preço normal é 6€. Nós não visitámos, mas agora que tudo está fechado (Covid-19) visitámos virtualmente (aqui).

Estadio San Mamés: o estadio do Athletic de Bilbao vê-se de várias zonas da cidade, principalmente a partir do Guggenheim, Euskalduna e Artxanda. Em dia de jogos torna-se impressionante, pois é todo iluminado. O museu com tour custa 14€ e pode ser comprado online.

Puente Bizkaia (Puente Colgante): não tivemos tempo para ir a esta obra património mundial na UNESCO, mas merece a vista. A construção é de um discípulo de Eiffel, Alberto Palacio. É de 1893 e foi a primeira ponte de transbordo no mundo deste género, unindo Getxo a Portugalete. A passagem não é feita da forma comum, mas através duma “barquilla” que faz o percurso entre as duas margens, uma espécie de autocarro-teleférico que corre suspenso sobre a água. A viagem custa a cada passageiro 0,45€ e 1,65€ por veículo. A entrada no passadiço superior (ponte em si) custa 10,5€ com audio-guia.

Onde comer:

Pintxos, sem dúvida. A Plaza Nueva ou o Mercado de la Ribera são bons locais para comer estes petiscos sobre pão. Comemos no Gure Toki e no The Boar. O Sorgintzulo também é famoso. As combinações vão do óbvio ao arrojado, como uma fatia de pão, bacalhau e molho, ou uma espetada de ananás, uma almôndega e um pickle.

Genericamente não adorámos, gostamos mais dos bocadillos de jamon da loja em frente ao hostel (7,70€), na Vianda de Salamanca.

No sábado fizemos a versão caseira. Fomos ao supermercado e comprámos uma baguete, presunto cortado em fatias finas e uma limonada (comprámos no supermercado Eroski e gastámos 7,50€). No topo do Monte Artxanda, junto às letras Bilbao e Bilbo que contornam todo o panorâmico, fizemos nós as sandes de presunto e acabou por ficar mais em conta.

A bebida da moda é o Kalimotxo – vinho com coca-cola – uma moda que passou fugazmente por Portugal há uns anos, mas a Raquel correu tudo até encontrar uma sangria.

O pequeno-almoço de sábado comemos fora, mas achámos caro (El Kapikua 5,20€). Então, no segundo dia combinámos croissants de supermercado com cappuccinos de máquina.

Café Iruña: tentámos visitar, mas estava fechado para obras. O centenário café é um dos espaços de marca da cidade. Abriu a 7 de julho de 1903 e já ganhou vários prémios, como o de Monumento Singular e o Prémio Especial Melhor Café de Espanha em 2000. Serve menus e pequeno-almoço. Podem visitar a página oficial, o que também fizemos, na falta da visita presencial.

Onde dormir:

Nós ficámos no Casual Gurea. Fica no centro, na cidade velha. Ficámos duas noites num quarto com casa de banho privada, sem pequeno-almoço. A catedral fica a cerca de 100 metros. Não fica na margem do rio, mas é simpático, uma boa escolha para o preço. Fica também perto da Fuente de los Perros, onde apanhámos uma manifestação.

Dicas:

  • Vale a pena visitar Bilbau num fim de semana, de sexta a domingo ou, se conseguirem, até segunda-feira. Como (esperamos) o futuro é o “Slow Tourism”, sugerimos que percorram toda a costa basca.
  • Assim que conseguirem comprem o Barik e saiam do aeroporto de autocarro.
  • Durmam no Casco Viejo.
  • Olhem para as placas com os nomes das ruas e vejam como estão escritas em castelhano e basco.
  • Façam como os espanhóis e comprem uma lotaria. E que a sorte vos sorria!

Usem o Revolut. Não precisam de andar com dinheiro vivo. Pagámos tudo com Revolut e, no total, este fim de semana em Bilbau para os dois custou-nos 330€, incluindo os voos.

365 dias no mundo estiveram em Bilbau de 10 a 12 de janeiro de 2020

Este artigo pode conter links afiliados.

Spread the love

365 DIAS NO MUNDO

Somos um casal de viajantes com uma lista de viagens por realizar que está sempre a crescer. Juntos viajamos para conhecer a história, a cultura, as pessoas e a gastronomia de outros lugares.

4 thoughts on “BILBAU NUM FIM DE SEMANA (ESPANHA)

  1. Eu não viajei quase nada em 2020, à espera das grandes viagens da Páscoa e do Verão. Ferrei-me. Por isso também recordo com tanto carinho o bate-volta (sim, o termo é fixe) que fiz a Barcelona para uma foto junto da Sagrada família, uns pintchos e pouco mais.
    Ainda não estive em Bilbau e anotei as vossas dicas

    1. Estamos tão contentes por ter tido um primeiro trimestre agitado, que ainda não sentimos a ressaca de viajar. Queremos muito voltar a Barcelona, nunca fomos juntos, e até temos lá família. Vais gostar de Bilbau, e o pequeno viajante também.

  2. Bilbau está na minha lista há que tempos mas ainda não saiu do papel. Estive há muitos anos apenas no exterior do Guggenheim mas preciso voltar! 🙂 Os pintxos chamam por mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: